Publicidade

Correio Braziliense

Distrital Rodrigo Delmasso cita ausência do Executivo na eleição da mesa

Delmasso reforçou que é defensor do Escola sem Partido. Ele foi eleito vice-presidente da Mesa Diretora do biênio 2019-2020


postado em 02/01/2019 15:17 / atualizado em 02/01/2019 17:22

Rodrigo Delmasso (PRB) foi eleito vice-presidente da Câmara Legislativa(foto: Reprodução/Vídeo)
Rodrigo Delmasso (PRB) foi eleito vice-presidente da Câmara Legislativa (foto: Reprodução/Vídeo)
Escolhido como vice-presidente da nova mesa diretora da Câmara Legislativa, o deputado reeleito Rodrigo Delmasso (PRB) comentou sobre a falta da presença de um representante do Executivo na hora da escolha de quem assumiria a mesa no biênio 2019-2020. “Em todas as eleições tinha um representante do poder Executivo. Na época do governo Agnelo, o ex-governador Tadeu Filippelli foi para articular. Na passada, o próprio governador Rodrigo Rollemberg se envolveu na eleição da mesa e, nessa, nós não tivemos um representante”, observou.

Delmasso citou a ausência de uma pessoa do governo Ibaneis Rocha (MDB) durante entrevista ao programa CB.Poder — parceria do Correio com a TV Brasília — no início da tarde desta quarta-feira (2/1). No primeiro dia do ano, ele foi escolhido como vice-presidente da Câmara Legislativa, ao lado do deputado Rafael Prudente (MDB), o mais novo presidente, eleito com 17 votos, e do mesmo partido de Ibaneis.

O novo vice-presidente, no entanto, elogiou a capacidade de articulação do colega e amenizou o fato de ele ser filho do ex-parlamentar Leonardo Prudente, conhecido por ter escondido dinheiro nas meias na operação Caixa de Pandora. “Ele não trouxe os interesses do pai para dentro do plenário nessa última legislatura e tem uma personalidade forte. É muito discreto, mas com uma capacidade de apaziguar a Casa e enfrentar o desafio justamente de ter a imagem dele dissociada à do pai”, disse. 

Delmasso ainda elogiou o novo governador por ter buscado captação de recursos com o governo federal. Ele reforçou que o chefe do Executivo local conseguiu, entre outubro e dezembro, garantir R$ 500 milhões de transferência de recurso ao Governo do Distrito Federal (GDF) e opinou que faltou do ex-governador Rodrigo Rollemberg (PSB) escutar as demandas que eram levadas até ele.

“Ele pegou o DF com uma dívida enorme. Passou quatro anos para arrumar a casa, com muita competência, mas, na minha avaliação, errou em não ouvir a todos, independentemente de posições ideológicas”, disse.

Defensor do Escola sem Partido

Deputado da bancada conservadora, Delmasso reforçou que é defensor do Escola sem Partido. Para ele, o projeto tem a intenção de evitar algum tipo de doutrinação em sala de aula. “O que a gente defende é que se mostre os dois lados da história para que o aluno tenha discernimento de qual verdade seguir. O problema é que alguns professores só mostram um lado”, criticou.

Evangélico, ele defendeu a igreja como uma instituição que faz parte da sociedade e disse não concordar com “ideologia de gênero nas escolas”. “Ninguém nasce homossexual. O homossexualismo é uma opção. Se decide por isso”, considerou.
 
Assista à entrevista na íntegra
 
 
 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade