Publicidade

Correio Braziliense

Brasilienses traçam metas e fazem promessas para 2019

O novo ano chegou trazendo a muita gente a vontade de renovação. Estudar, ter um emprego ou melhorar a saúde, tudo faz parte da lista de desejos para o ciclo que se inicia


postado em 03/01/2019 06:00

Karoliny Buhcool de mudança para São Paulo, onde seguirá carreira de estilista(foto: Ana Rayssa/Esp. CB/D.A Press)
Karoliny Buhcool de mudança para São Paulo, onde seguirá carreira de estilista (foto: Ana Rayssa/Esp. CB/D.A Press)

Ano-novo, vida nova! Mesmo batida, essa frase é sempre repetida a cada 12 meses. A passagem de um ano para outro motiva muitos a fazerem promessas, metas e resoluções de mudanças para o que quer na vida. Pautas variadas entram na lista: emagrecer, ter um novo trabalho ou estudar. Alana Pereira, 25 anos, quer um emprego melhor e fez até promessa: um ano sem beber se for aprovada no concurso público da Companhia Habitacional do Distrito Federal (Codhab). Ela fez a prova no fim de 2018 e o resultado só deve sair em fevereiro, mas, mesmo assim, começou a cumprir o que prometeu. “Beber um chope com amigos é algo de que gosto muito, principalmente nos fins de semana. Uma cervejinha é sempre bom, mas agora estou só na água, refrigerante e suco”, garante.

O ano passado foi semelhante: prometeu um ano sem doces se fosse aprovada em um outro concurso, e deu certo. Conseguiu emprego na Prefeitura de Anápolis, município goiano a cerca de 150km do Distrito Federal, mas, pela distância, agora quer trabalhar na capital. “Foi muito difícil manter o foco, eu adoro doce e parecia que todo mundo vinha me oferecer chocolate, até quem eu menos esperava. Mas deu certo, cumpri a promessa”, comemora.

Novas perspectivas também para a estilista e empresária Karoliny Buhcool, 29, que está de malas prontas para começar os novos desafios. Há 11 anos, começou em Brasília a própria marca de roupas femininas e agora, com ajuda de investidores, vai expandir o negócio e montar escritório em São Paulo. “Vamos reestruturar a marca de uma forma que suporte o crescimento e profissionalizar todos os setores”, explica.
Igor Lashayder:
Igor Lashayder: "Pretendo fazer alguns cursos na minha área" (foto: Ana Rayssa/Esp. CB/D.A Press)

Ela conta que começou de forma despretensiosa, desenhando e fazendo roupas para si mesma aos 16 anos, mas foi tendo um retorno tão positivo que fez carreira a partir daí. “O início pode ser de forma intuitiva, mas no processo você tem de estudar e se profissionalizar, senão perde muitas oportunidades no caminho. Para crescer, precisei fazer cursos, ler bons livros e contratar gente boa. É necessário agregar conhecimento”, acredita.

De acordo com o psicólogo cognitivo, especialista na área comportamental, Pedro Paulo Vieira, sempre que se encerra um ciclo, como o fim de um ano, as pessoas ficam mais propícias a projetos novos. Mas ele alerta: para que um objetivo seja cumprido, é necessário seguir alguns quesitos, como ser realista e estruturado. “Querer emagrecer é algo genérico, mas quando você estabelece que quer emagrecer 10kg em seis meses, você especifica o que quer. Toda meta precisa ter um tempo para ser atingida, se não isso leva a uma frustração”, afirma.
Ismael Teles:
Ismael Teles: "Eu me dei o prazo de um ano para conseguir alguma coisa" (foto: Mariana Machado/Esp. CB/D.A Press)

Segundo ele, é importante também ter indicadores que avaliem se a meta está ficando mais próxima, para que a pessoa não desista no meio do caminho. Aos que querem passar no vestibular, por exemplo, simulados são uma forma de determinar isso. “É fundamental saber se a meta é de curto, médio ou longo prazo e ter paciência. A falta de percepção ou expectativas irreais fazem com que você não atinja seus objetivos”, garante.

Com prazos estipulados, Ismael Teles, 57, quer uma mudança profissional. Atualmente, ele trabalha como administrador em um escritório de advocacia, mas em busca de melhorias no salário e mais estabilidade, está se esforçando para ser aprovado em um concurso público na área do Judiciário. “Comecei a estudar em maio do ano passado e quero continuar em 2019. Eu me dei o prazo de um ano para conseguir alguma coisa e espero que dê certo. É preciso ter dedicação”, acredita Ismael, que agora, de férias, vai usar as tardes livres para se debruçar sobre os livros.
Shirlene Helena: foco em corridas de média distância(foto: Arquivo pessoal)
Shirlene Helena: foco em corridas de média distância (foto: Arquivo pessoal)

Plenas conquistas
“Quero chegar ao fim deste ano bem pleno.” É assim que Igor Lashayder, 21 anos, define suas expectativas para 2019. O maquiador, em processo de transição de gênero, está focado em concluir a transição e permanecer bem, alinhando as mudanças do corpo com a mente. Outro projeto é o de capacitar-se profissionalmente. “Pretendo fazer alguns cursos na área, melhorar minhas técnicas e ser reconhecido. Minha expectativa para 2019 é das melhores possíveis. Acredito que será um ótimo ano para mim”.

Quem também busca novas conquistas é a consultora de vendas Shirlene Helena, 31 anos, focada em concluir duas provas de corrida, uma delas de 6km, no Rio de Janeiro, e uma meia maratona (percurso de 21km), em Brasília. Devido a um problema no joelho, cada corrida é um desafio, mas ela está determinada a se preparar bem. “Eu comecei a correr só para ter resistência nos exercícios de musculação. Hoje tenho um sentimento diferente, cruzar a linha de chegada me dá a sensação de que venci minhas dificuldades.”

Para 2019, ela pretende se especializar em corridas e ter uma preparação adequada. “Não quero chegar ao nível profissional, mas quero ter uma condição e qualidade de vida melhor. Achava que não conseguiria, atualmente tenho dois trabalhos, então, o tempo é pouco e há desgaste físico também. Mas foco nas corridas que quero e sei que é necessário uma preparação a longo prazo para isso”, conclui.
Alana Pereira: sem cerveja por um ano se passar em concurso(foto: Mariana Machado/Esp. CB/D.A Press)
Alana Pereira: sem cerveja por um ano se passar em concurso (foto: Mariana Machado/Esp. CB/D.A Press)

Cláudia Régis Gonçalves, 47 anos, tem como meta parar de fumar. A secretária conta que tentou largar o cigarro diversas vezes, mas agora está determinada. “Sempre dizia que ia parar, mas voltava quando dava vontade. Agora eu quero um ano diferente, que as coisas melhorem em várias áreas e, para isso, eu preciso de determinação. Por isso, vou começar pelo cigarro, algo que faz muito mal à minha saúde.”

* Estagiária sob supervisão de José Carlos Vieira

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade