Publicidade

Correio Braziliense

Prata da Casa: dupla Macedo e Mariano canta nas estações de metrô do DF

Os dois amigos, que começaram a trabalhar juntos há cerca de 14 anos, tocam o projeto Viola em quatro cantos


postado em 04/01/2019 17:30 / atualizado em 03/01/2019 16:45

A paixão pela viola guiou a dupla Macedo e Mariano durante a carreira e agora dá o tom no projeto feito nas estações de metrô do DF(foto: Rebeca Mattioli/Divulgação)
A paixão pela viola guiou a dupla Macedo e Mariano durante a carreira e agora dá o tom no projeto feito nas estações de metrô do DF (foto: Rebeca Mattioli/Divulgação)
Dois amigos e uma paixão em comum: a moda de viola. É assim que Macedo e Mariano, ambos com 38 anos,  se apresentam em Brasília, Entorno e outros estados. Há mais ou menos 14 anos na estrada, a dupla, que nasceu e cresceu no Distrito Federal, têm o intuito de levar a manutenção e a projeção da música caipira, com ênfase na viola caipira.

Com o objetivo de apresentar clássicos do ritmo, a dupla colocou em prática, em setembro do ano passado, o projeto Recorte Histórico da Música de Viola Caipira, realizado com o apoio da Secretaria de Cultura do Distrito Federal, por meio de Apoio à Cultura  (FAC). A ideia consistiu em fazer show nas estações do metrô para um “público rotativo”. “Eles paravam um pouco, escutavam a nossa música e depois seguiam o destino”, ressaltou Mariano. 

Um diferencial chamou atenção na elaboração do programa: a inclusão de pessoas com deficiência auditiva. Durante as apresentações, uma intérprete cultural utilizava o código de libras para repassar as canções à comunidade surda. “Parte do nosso material de divulgação foi impresso em braile, além de vídeo nas redes sociais com audiodescrição para deficientes visuais”. afirmou Mariano. Segundo ele, a locação do metrô se deu por conta da mobilidade. “ A gente poderia ter feito nas praças, mas a locação foi escolhida por conta do critério da acessibilidade”. 

Canções históricas

Dentro do repertório do programa, era possível encontrar canções históricas, as mais relevantes de cada década, como o primeiro registro fonográfico do gênero caipira, o Jorginho do Sertão, do compositor Cornélio Pires, de 1929.  Além disso, Macedo e Mariano completavam o show com músicas do primeiro trabalho de carreira, o Conversando com a viola, lançado em 2015. Formado por 14 faixas, o repertório é composto por obras autorais e de terceiros. “Até hoje, o trabalho está bem executado, e as pessoas pedem bastante nos nossos shows”, acrescentou. 

Em 2019, eles voltam com um novo projeto, chamado Viola em quatro cantos. Semelhante ao Recorte Histórico da Música de Viola Caipira, as apresentações serão nas estações do metrô, em Samambaia, Taguatinga, Ceilândia, e Plano Piloto, onde ocorrerá o encerramento.
O programa é realizado com recursos do Fundo de Apoio à Cultura do Distrito Federal. “Esse projeto tem o viés de mostrar a abrangência da viola”, aponta Mariano.

Serão oito edições e, em cada uma, haverá um artista da cidade que usa a viola como instrumento de trabalho, independentemente da trajetória artística e gênero musical. “Temos convidados repentistas, da Folia de Reis, orquestra de viola, rock n’ roll na viola. Um projeto que vai mostrar a música caipira e a diversidade da viola”, informou.

Para o futuro, a dupla pensa lançar um novo CD. “Estamos em fase de produção, selecionando repertório para que neste ano, possamos intercalar os dois projetos”, adianta Mariano. O trabalho deles está disponível em todas as plataformas digitais. 

* Estagiário sob a supervisão de Leonardo Meireles

Siga a dupla: 

Instagram:@macedoemariano
 
* Estagiário sob a supervisão de Leonardo Meireles 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade