Publicidade

Correio Braziliense

Mulher se esconde com filho em mata para não ser morta por companheiro

Uma equipe da Polícia Militar resgatou mulher e filho escondidos em um matagal no Recanto das Emas


postado em 07/01/2019 13:07 / atualizado em 07/01/2019 13:29

Mulher agredida por companheiro em Recanto das Emas se esconde em mata para não ser morta(foto: Cristiano Gomes/CB/D.A Press)
Mulher agredida por companheiro em Recanto das Emas se esconde em mata para não ser morta (foto: Cristiano Gomes/CB/D.A Press)
 

Uma mulher, 30 anos, teve que se esconder em uma região de cerrado no Recanto das Emas, para não ser morta por companheiro. O filho dela já esperava por ela no matagal. Policiais militares prenderam o agressor, de 51 anos. Ele responderá por ameaça e lesão corporal.  

Segundo a comunicação da PM, uma equipe da corporação recebeu a ocorrência de violência contra a mulher  por meio do telefone 190. O crime aconteceu na Chácara 5, nos fundos da Quadra 804 do Recanto das Emas.

Ao chegarem ao local, os policiais ouviram vários gritos de socorro vindo de uma mata nos fundos de uma casa. Ao se aproximar, a equipe encontrou a vítma escondida, junto com o filho.

No momento da abordagem, ela contou que foi agredida. A mulher apresentava lesões na cabeça e no braço, e afirmou que o companheiro a ameaçou de morte. Com medo, a vítima fugiu para o matagal para ficar com o filho que já estava escondido há mais de uma hora.

 

Histórico

Este não foi o primeiro caso de violência contra mulher registrado neste ano. Somente nesta primeira semana de 2019, 342 denúncias de violência contra mulher foram feitas por meio do telefone 190, segundo dados da Polícia Militar. No mesmo período de 2018 a PM recebeu, 213 acionamentos. 

 

De janeiro a junho de 2018, 7.169 casos de violência doméstica e 415 de violência sexual contra mulher foram registrados no DF. Além disso, 14 feminicídios ocorreram na capital no primeiro semestre de 2018. Ceilândia é a região administrativa com mais ocorrências, com 1.161 casos de violência doméstica, 3 de feminicídio e 68 estupros.

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade