Publicidade

Correio Braziliense

Exposição em Taguatinga mostra a trajetória do 'fotógrafo dos presidentes'

Exposição com obras de Gervásio Baptista na Galeria Olho de Águia, em Taguatinga, conta em imagens a carreira do icônico fotógrafo


postado em 09/01/2019 06:00

O repórter durante a Guerra do Vietnã(foto: Reprodução)
O repórter durante a Guerra do Vietnã (foto: Reprodução)

O clique no momento exato. A imagem eternizada em uma fração de segundo. Imagens estáticas, mas que podem dizer muito sobre momentos históricos. Assim é a fotografia, produto final do fotógrafo. A atividade requer técnica, sabedoria para dominar a ação da luz junto à câmera, precisão para capturar o momento certo — ainda que em meio a uma multidão —, mesmo que em movimento, faça chuva ou faça sol.

Dessa forma, o fotojornalismo surge e se torna fundamental para noticiar, ilustrar palavras e, muitas vezes, expor momentos decisivos de nossa história. Gervásio Baptista exerceu esse ofício de forma brilhante. Natural de Salvador, dedicou mais de meio século à fotografia. Nesse período, esteve em sete Copas do Mundo, 16 concursos de Miss Universo, presenciou a Revolução Cubana, a Revolução dos Cravos, em Portugal, acompanhou a queda do ex-presidente argentino Juan Domingo Perón e registrou a Guerra do Vietnã.

É conhecido como o “fotógrafo dos presidentes” por cobrir os mandatos de Getulio Vargas a Dilma Rousseff. É dele a credencial de imprensa número 001 do Palácio do Planalto. Registrou a construção de Brasília e clicou momentos da ditadura militar brasileira. Neste período, passou pela prisão, sempre liberado brevemente. Dividiu cela, inclusive, com o ex-governador de Pernambuco Miguel Arraes.

Hoje, aos 96 anos e aposentado, Gervásio é prestigiado não só por fotógrafos, mas fãs de ocupações variadas. Acostumado a ser autor de histórias por meio de imagens, agora tem a sua trajetória retratada em exposição, que conta com 10 fotografias produzidas por ele.

“Gervásio é uma lenda viva. Ele se mistura com a história da fotografia e do fotojornalismo no Brasil. É importante que a gente preste esta homenagem ainda em vida. Ele foi um dos transformadores da atividade no Brasil, sempre muito ético, fez do seu trabalho um legado”, explica Ivaldo Cavalcante, organizador do evento na Galeria Olho de Águia, em Taguatinga Norte.

Abertura da exposição na Galeria Olho de Águia(foto: Reprodução)
Abertura da exposição na Galeria Olho de Águia (foto: Reprodução)


(foto: Foto emblemática de Juscelino Kubitschek nos festejos da inauguração de Brasília)
(foto: Foto emblemática de Juscelino Kubitschek nos festejos da inauguração de Brasília)


Conhecido como referência do fotojornalismo, cobriu a política brasileira desde Getulio Vargas(foto: Bruno Peres/CB/D.A Press)
Conhecido como referência do fotojornalismo, cobriu a política brasileira desde Getulio Vargas (foto: Bruno Peres/CB/D.A Press)



Tancredo


Entre as obras presentes, estão imagens históricas. Gervásio é autor de uma das fotos mais famosas da inauguração de Brasília. “Ele se emociona com esta imagem. É o presidente Juscelino Kubitschek acenando para o povo com uma cartola na mão”, descreve Ivaldo. O baiano foi também o fotógrafo oficial de Tancredo Neves e fez a última imagem do ex-presidente vestindo um roupão no, à época, Hospital de Base de Brasília.

“É importante que as pessoas compareçam (à exposição). Há imagens muito impactantes. As pessoas precisam conhecer o trabalho porque, para mim, ele foi o único fotógrafo de rua mesmo, por isso teve leituras diferente de alguns fatos, como a Revolução Cubana”, convida Ivaldo.

A exposição faz parte do projeto Imagem sem fronteira, que está na segunda edição. O proprietário da galeria conta que houve dificuldades para reunir o acervo. “Ele começou na Manchete, aos 14 anos, a convite de Assis Chateaubriand, e por lá ficou até encerrarem as atividades em 2000. Muitos negativos sumiram quando a Manchete fechou. Não se sabe se alguém pegou, se tornou uma lenda urbana, mesmo assim conseguimos encontrar alguns negativos originais”, explica Ivaldo.

Placa


Não é a primeira vez que o espaço honra Gervásio Baptista. Lá também há uma biblioteca que recebe o nome do fotógrafo. Ao fim da exposição, o homenageado vai receber uma placa produzida pelo artista Greg Calígrafo.

Para Ivaldo, as ações em respeito a Gervásio não devem parar por aí. “Ele sempre foi muito querido por onde passou, então merece. O último emprego dele foi no STF (Superior Tribunal Federal) e, quando decidiu sair, os próprios ministros pediram para ele ficar”, acrescenta.

A ideia de Ivaldo, agora, é criar uma fundação com o nome de Gervásio Baptista. “Estou correndo atrás de colegas, correndo atrás de outros fotógrafos e conversando com o governo também. Precisamos juntar o dinheiro para conseguir concretizar o projeto. Precisamos encontrar os negativos da época da Manchete, é propriedade da família por direito”, completa.


* Estagiário sob a supervisão de José Carlos Vieira

Exposição Gervásio Baptista


Galeria Olho de Águia (CNF 01, Edifício Praiamar, Loja 12, Taguatinga Norte). Visitação de terça a sábado até 30 de janeiro. Das 18h à meia-noite. Entrada franca. Classificação indicativa livre.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade