Publicidade

Correio Braziliense

Polícia Civil prende especialistas em fraude que atuavam em vários estados

Três homens acabaram presos. Eles pegavam dados de servidores e criavam contas correntes para a contratação de empréstimos em torno de R$ 50 mil


postado em 09/01/2019 15:51 / atualizado em 09/01/2019 17:11

Equipamentos apreendidos durante a Operação Hermes, que resultou na prisão de um homem também suspeito de integrar o novo grupo de fraudadores(foto: Thiago Melo/Esp. CB/D.A Press)
Equipamentos apreendidos durante a Operação Hermes, que resultou na prisão de um homem também suspeito de integrar o novo grupo de fraudadores (foto: Thiago Melo/Esp. CB/D.A Press)
 
Três homens de 36, 37 e 38 anos, acabaram presos entre terça-feira (8/1) e esta quarta (9), no DF e em Goiás, por uma série de crimes. Eles são acusados de integrarem uma quadrilha especializada em falsidade ideológica, falsidade documental, uso de documento falso, invasão de dispositivo informático, estelionato e lavagem de dinheiro. O grupo atua em todo o país. Um dos detidos chegou a ser preso na Operação Hermes, deflagrada em setembro de 2018. 
 
Segundo informações da Divisão de Comunicação da Polícia Civil, os envolvidos adquiriam, de forma fraudulenta, dados de contracheques de servidores do Sistema de Gestão de Pessoas (Sigipe) do Ministério do Planejamento. As principais vítimas eram auditores federais. Com as informações, os criminosos fabricavam documentos que eram utilizados para abertura de contas correntes e contratação de empréstimos consignados vultosos, em torno de R$ 500 mil.
 
O dinheiro ia para ativos de empresas ilícitas e, depois, eram movimentadas em contas bancárias de pessoas físicas criadas com dados falsos. Um dos investigados tinha identificação com seis nomes distintos e outro alvo, com cinco nomes diferentes. Eles se apresentavam nos estados de SP, GO, MS, PA, PE e no DF.
 
A investigação durou um ano e três meses e foi deflagrada pela  Coordenação de Repressão aos Crimes Contra o Consumidor, a Propriedade Imaterial e a Fraudes (Corf).

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade