Publicidade

Correio Braziliense

Polícia Civil prende suspeito de matar universitário na Rodoviária do Plano

Milton Junio Rodrigues de Souza foi atingido com uma facada no peito enquanto esperava ônibus com amigos no terminal


postado em 17/01/2019 09:41 / atualizado em 17/01/2019 20:17

O suspeito contou que, após o bate-boca com a vítima, foi com um adolescente de 17 anos agredi-la(foto: Arthur Menescal/Esp. CB/D.A Press)
O suspeito contou que, após o bate-boca com a vítima, foi com um adolescente de 17 anos agredi-la (foto: Arthur Menescal/Esp. CB/D.A Press)
Um homem de 34 anos foi preso acusado de matar a facadas o estudante Milton Junio Rodrigues de Souza, na madrugada da última terça-feira (15/1), na Rodoviária do Plano Piloto. De acordo com a Polícia Civil do DF, o suspeito é artesão e morador de rua. A prisão ocorreu por volta das 17h da quarta-feira (16/1), o local ainda não foi informado pela corporação.
 
A vítima estava com alguns amigos quando levou uma facada no peito. Eles esperavam o ônibus para voltar para casa, no Gama, por volta das 3h30, após saírem de uma festa no Setor Bancário Sul. De acordo com o delegado Gleyson Mascarenhas, chefe da 5ª Delegacia de Polícia (área central de Brasília), o acusado é Adriano Ferreira Santos e veio do Mato Grosso. Ele se muda de cidade constantemente e passa pela capital desde 2005. “A prisão de Adriano aconteceu próximo ao BRB, no Setor Comercial Sul. Ele não era uma pessoa conhecida na Rodoviária, mas ficava pela área central vendendo artesanato”, explica.

O homem contou em depoimento à delegacia que, no dia do crime, encontrou a vítima e os amigos dele na Rodoviária. “Ele contou que havia bebido muito. Viu (Milton) Junio e os amigos e pediu o isqueiro emprestado. Um dos jovens deu o objeto. A vítima estava com uma garrafa de cerveja na mão e ele pediu um gole. O jovem negou e ali começou uma discussão. O suspeito disse que a vítima o xingou e que, quando pediram o isqueiro de volta, ele sentiu aquilo como um desaforo”, relata o delegado.

Após a discussão, Junio e Ícaro Carlos de Souza, 19, foram ao banheiro, localizado sob as escadas onde a vítima foi assassinada. O segundo amigo, Ary Martins, 21, buscou ajuda na unidade da PM na Rodoviária. Neste momento, um conhecido de Adriano, um adolescente de 17 anos, perguntou se ele queria bater nas vítimas.

“Adriano concordou. O adolescente sacou uma faca que ele tinha na manga da blusa e foram atrás do grupo. O adolescente foi quem deu a facada na vítima, que chegou a correr, pedindo ajuda. Adriano ainda chegou a bater no jovem, após a facada. Depois disso, a dupla fugiu”, esclarece Gleyson Mascarenhas.

Na delegacia, Adriano negou que viu o adolescente esfaquear Junio. “Eu não sabia que ele estava com a faca e sequer vi o golpe que ele deu. Mas eu bati nele (vítima) sim, porque ele me xingou”, disse. 

Adriano responderá por homicídio qualificado e corrupção de menores. O adolescente ainda está foragido e é procurado. A Delegacia da Criança e do Adolescente da Asa Norte (DCA) ficará responsável por apreender o adolescente. Segundo o delegado, Adriano cumpriu cinco anos no Mato Grosso por roubo. Ele não tem passagem pela polícia em Brasília.
 
A mãe da vítima, Vera Lúcia Rodrigues, esteve na delegacia na manhã desta quarta-feira (17) para ter mais informações sobre a prisão de Adriano. Muito abalada, ela olhava a foto do filho pelo celular enquanto lamentava a morte: “Ele era um neném tão lindo é simplesmente tiraram ele de nós”. Segundo uma amiga da família, o irmão mais velho de Junio, de 22 anos, está em estado de choque. 

Comoção na despedida

Milton Junio era considerado por amigos uma pessoa alegre e amável(foto: Divulgação/Arquivo Pessoal)
Milton Junio era considerado por amigos uma pessoa alegre e amável (foto: Divulgação/Arquivo Pessoal)
 

Dezenas de amigos e familiares se reuniram para se despedir do estudante na tarde da última quarta-feira (16/01). O velório começou por volta das 13h45 e o corpo foi sepultado às 16h30. Na chegada do corpo ao túmulo, minutos antes do sepultamento, a mãe de Milton Junio se emocionou e se debruçou sobre o caixão do filho. Chorando bastante, ela pediu diversas vezes para o jovem “não ir embora”. “Meu filho, não! Por favor, Junio, volta para a mamãe, meu menino. Me dá uma resposta, Jesus, só o Senhor tem a resposta de terem matado meu filhinho. Vamos para casa. A mamãe vai cuidar de você”, dizia a mulher.
 
Ver galeria . 9 Fotos Reprodução/Facebook
(foto: Reprodução/Facebook )


Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade