Publicidade

Correio Braziliense

Duas empresas ligadas a ex-pilotos apresentam propostas de PPP do Autódromo

Previsão da Terracap é de que a última etapa das condições sejam analisadas até o fim de fevereiro para, no máximo, início de março ocorrer a assinatura do contrato de concessão


postado em 17/01/2019 11:55 / atualizado em 17/01/2019 20:38

Autódromo está fechado desde 2014(foto: Bárbara Cabral/Esp.CB/D.A Press)
Autódromo está fechado desde 2014 (foto: Bárbara Cabral/Esp.CB/D.A Press)
Duas empresas alinhadas a ex-pilotos apresentaram propostas para administrar o Autódromo Internacional de Brasília Nelson Piquet por meio de Parceria Público Privada (PPP). São elas a Comercial Calbox, que tem o apoio do ex-corredor Amir Nasr, da Federação de Automobilismo do DF e de investidores de Goiás; e o consórcio formado pelas empresas RNGD Consultoria e a Rígido Engenharia, que está junto do ex-piloto Affonso Giaffone. 

A partir de agora, equipes da Agência de Desenvolvimento do Distrito Federal (Terracap) analisam a parte técnica das condições apresentadas. A previsão é que o resultado do envelope de habilitação saia entre esta quinta (17/1) e sexta-feira (18/1). Após os resultados, as empresas têm prazo de cinco dias úteis para recurso.

A partir de 28 de janeiro, iniciam os trabalhos da comissão que avalia o envelope B. Ele contém a proposta técnica, ou seja, o plano de negócio, bem como o projeto de requalificação do Autódromo. A previsão é encerrar essa parte em meados de fevereiro.

Os valores serão analisados no último envelope estudado, o C. A expectativa é de que isso ocorra no fim de fevereiro, para assinatura do contrato de concessão no máximo até início de março. No momento em que isso ocorre, o Autódromo passa a ser administrado por uma iniciativa privada.

Propostas de concessão 

Estima-se que o valor da concessão seja de mais de R$ 73 milhões. O vencedor da licitação será responsável pela manutenção, operação, gestão e modernização do autódromo nos próximos 35 anos.

Com a modernização, o autódromo poderá ser homologado com grau 3 da Federação Internacional de Automobilismo (FIA), o que permite receber eventos nacionais, regionais, corporativos, de arrancadas, drifting, culturais e artísticos. 

Vence a licitação a empresa que apresentar proposta com o menor custo ao GDF. O aporte público, segundo o edital, será de até R$ 14 milhões. Durante o período de concessão, a Terracap receberá 1,5% da receita corrente líquida, como compartilhamento de ganhos econômicos. 

Fechamento

O Autódromo Internacional de Brasília está fechado há mais de quatro anos. Os 680 metros quadrados do local, na Asa Norte, estão com parte da pista inacabada e arquibancada com estrutura comprometida. 

O espaço recebia obras para abrigar uma prova da Fórmula Indy, em dezembro de 2014, quando o Tribunal de Contas do Distrito Federal (TCDF) suspendeu as intervenções por suspeitas de sobrepreço e falhas no projeto de engenharia.  

Após o governador Rodrigo Rollemberg assumir o cargo, em 2015, foi feita uma proposta para ceder ao setor privado o autódromo, o Estádio Nacional Mané Garrincha, o Ginásio Nilson Nelson e o Complexo Aquático Cláudio Coutinho. O plano de ocupação do Setor de Recreação Pública Norte chegou a ser aprovado pelo Conselho de Planejamento Territorial e Urbano (Conplan) do DF, mas os editais foram lançados separadamente.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade