Publicidade

Correio Braziliense

Socorristas do Samu acolhem cadela com tumor e conseguem agendar cirurgia

Formosa chegou à base da unidade de Taguatinga há cerca de 15 dias, com um tumor de 3kg. A cadela passou por cirurgia e ficará na casa de uma médica


postado em 18/01/2019 21:01 / atualizado em 18/01/2019 21:02

Daniel (E), Gabriela e Ronaldo se juntaram para ajudar Formosa. Outros colegas da base também auxiliaram no processo(foto: Samu/Divulgação)
Daniel (E), Gabriela e Ronaldo se juntaram para ajudar Formosa. Outros colegas da base também auxiliaram no processo (foto: Samu/Divulgação)

O destino de uma cadela mudou depois que ela buscou abrigo na base do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) na QNG, em Taguatinga Norte. Formosa, como foi apelidada pela equipe do local, teve idade estimada em 6 anos pelo médico veterinário que a analisou. Na mesma consulta, veio o diagnóstico de um tumor de 3kg na mama. A equipe da unidade se mobilizou para cuidar do animal e, nesta sexta-feira (18/1), a cadela foi operada. Da cirurgia, seguiu direto para a casa da médica socorrista Gabriela Botar, 32 anos. 

A vira-lata de pelo cor de mel e focinho preto chamou a atenção quando chegou com outros dois cachorros ao estacionamento da base da unidade. Não porque parecia perdida ou algo assim. Mas porque o tumor que ela carregava era tão grande que quase chegava a arrastar pelo chão. Ali, se juntou a outros animais que ficam pelo espaço, onde recebem comida, água e carinho de vigilantes e servidores do Samu.
 
Formosa chegou à base com o tumor na mama, acompanhada de dois amigos (foto: Samu/Divulgação)
Formosa chegou à base com o tumor na mama, acompanhada de dois amigos (foto: Samu/Divulgação)
 
 
A condição delicada de saúde fez Daniel Lúcio Diniz, 43, Ronaldo Macário dos Santos, 39, e Gabriela irem atrás de uma solução. "Nós olhamos para ela e pensamos: 'E agora, o que vamos fazer?' E nos mobilizamos. A princípio, começamos com consultas em veterinários particulares, mas os orçamentos eram altos. Mesmo assim, não desistimos", conta a médica Gabriela Botar. 
 
Com os dias passando, a angústia aumentava, como relata o condutor de ambulância Daniel. "Ela andava com dificuldade mesmo, porque o tumor era muito pesado. Isso nos deixava aflitos", diz. 
 
O trio conseguiu agendar a cirurgia de Formosa no Hospital Veterinário Público do Distrito Federal (Hvep), também em Taguatinga Norte. "Só tivemos um susto durante a cirurgia, porque ela teve uma parada respiratória. Precisou ser reanimada e, graças a Deus, ela ficou boa de novo", relata Gabriela. 
 
O trio ganhou uma lista com cinco medicações, orçadas em R$ 390. Mas o valor não ficou pesado. "Quem trabalha na base nos ajudou desde o começo cuidando da Formosa. Então, quando recebemos o valor dos remédios, muitos participaram da vaquinha", explica Daniel.  
 
No fim da tarde desta sexta, Formosa recebeu alta, porque não há internação no Hvep. "Decidi levá-la para casa, onde ela poderá ser cuidada e terá uma boa recuperação. Não tinha como deixá-la no estacionamento da base, pois, com a rotina de trabalho, não teríamos tempo. Também não seria um local confortável", afirma. 
 
A cadela Formosa está operada e, durante o período pós-operatório, ficará na casa da médica Gabriela (foto: Samu/Divulgação)
A cadela Formosa está operada e, durante o período pós-operatório, ficará na casa da médica Gabriela (foto: Samu/Divulgação)

 

Carinho diário 

 
Os cuidados do pós-operatório são rigorosos: medicação nas horas certas e limpeza diária dos pontos da cirurgia. Formosa precisa usar a roupinha cirúrgica, que a impedirá de entrar em contato com a ferida. O retorno da cadelinha ao veterinário está marcado para o próximo dia 29. 
 
Já pela noite, a cadelinha ainda estava meio cansada. Mas, de jejum desde cedo para a cirurgia, não deixou de comer. "Ela ainda está meio mole, porque foi um procedimento muito pesado. Mas o que queremos, agora, é que ela fique bem", frisa Gabriela. 
 
Após a recuperação completa e a retirada dos pontos, o destino de Formosa está incerto. "Ela ficará aqui em casa durante este período, mas, como há outros cachorros, não sei se conseguimos ficar com a Formosa. Mas ela não ficará desamparada. Arrumaremos um novo dono na base ou então a colocaremos para adoção", garante. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade