Publicidade

Correio Braziliense

Grupo faturou meio milhão com fraude em listas de casamento on-line

Suspeito de integrar o grupo foi preso na Operação Recém-Casados". O grupo fraudava as listas de casamento para que a entrega de eletrônicos e eletrodomésticos fosse feita em seus próprios endereços


postado em 22/01/2019 10:05 / atualizado em 22/01/2019 15:30

Na casa do suspeito foram encontrados televisores, videogames, notebooks, caixas de som, fogões, geladeiras, armários, máquina de lavar e secar, dentre outros produtos(foto: Divulgação/PCDF)
Na casa do suspeito foram encontrados televisores, videogames, notebooks, caixas de som, fogões, geladeiras, armários, máquina de lavar e secar, dentre outros produtos (foto: Divulgação/PCDF)
A Polícia Civil prendeu, nesta terça-feira (22/1), o integrante de um grupo criminoso suspeito de golpes de R$ 500 mil em lojas de departamento do Distrito Federal. A ação, batizada como Operação Recém-Casados, foi deflagrada após a descoberta de provas de que o acusado fraudava o sistema on-line dos sites para que a entrega de mercadorias de listas de noivos fosse feita em seu endereço.

"Restou confirmado que o autor realizou um total de 933 pedidos de compras fraudulentas entre 2011 e 2019, porém parte desse montante, cerca de 684, foram bloqueados pelos sistemas de segurança das lojas", contou o delegado Guilherme Sousa Melo, da Coordenação de Repressão aos Crimes Patrimoniais (Corpatri). Entre os produtos, estavam "uma grande quantidade de eletroeletrônicos, eletrodomésticos, aparelhos celulares e um veículo de passeio, modelo Cherry", informou a PCDF.

As investigações começaram em 2018, quando a delegacia especializada recebeu informações de uma fraude no sistema das lojas Casas Bahia. Na apuração, foi constatado que cerca de 30% dos pedidos foram aprovados ao longo dos anos, gerando um prejuízo de quase R$ 500 mil aos departamentos. 

"As investigações prosseguem no sentido de identificar outros envolvidos no esquema fraudulento tanto no DF como em outras unidades da Federação. O grupo vai responder pela prática de crimes de estelionato e associação criminosa. O autor, que já tem passagens por estelionato, após as formalidades legais, será recolhido à carceragem da PCDF", detalhou, em nota, a Corpatri.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade