Publicidade

Correio Braziliense

Ceilândia ganha terceiro papa entulho, mas população pede mais instalações

Durante a cerimônia, um carroceiro foi o primeiro a despejar entulhos na caçamba. Pela lei, a circulação das carroças deveria estar proibida desde dezembro do ano passado, mas nenhuma medida de adequação foi tomada


postado em 25/01/2019 13:40 / atualizado em 25/01/2019 15:39

(foto: Vinicius Cardoso Vieira/Esp. CB/D.A Press)
(foto: Vinicius Cardoso Vieira/Esp. CB/D.A Press)

Para resolver o problema de despejo inadequado de lixo, a comunidade da QNM 27, de Ceilândia, ganhou um papa entulho, inaugurado na manhã desta sexta-feira (25/1). O local conta com área coberta, onde há um escritório e dois banheiros, além de uma sala de apoio para os garis. Na área externa, são quatro caçambas, além de baias para receber podas, colchões e madeira. Para quem tiver materiais recicláveis e móveis que podem ser doados, há, ainda, duas baias cobertas para o recebimento. Foram investidos R$ 173 mil para a implementação. 

Durante a cerimônia de abertura, moradores de outras quadras da região foram até o local para cobrar instalações de mais equipamentos como este. "A nossa região é muito carente e cheia de carroceiros. Pega o Privê, QNP, QNR, Expansão do Setor O e não tem uma área dessa próximo a nós. Aí a cidade fica cheia de lixo, entulho, porque a população não tem como pagar para recolher", explica o líder comunitário Jackson de Souza. Ele aproveitou a oportunidade para levar a reivindicação diretamente ao governador Ibaneis Rocha, que fez a abertura oficial do espaço ao lado do administrador de Ceilândia, o delegado Fernando Fernandes, e do diretor-presidente do Serviço de Limpeza Urbana do Distrito Federal (SLU), Félix Pallazo. 

Ibaneis prometeu instalar 64 papa entulhos em pontos críticos de descarte irregular do DF. Até o momento, 10 estão em funcionamento, sendo três em Ceilândia, dois em Brazlândia, e um em Taguatinga, Gama, Planaltina, Guará e Asa Sul. Apesar de Ceilândia liderar o ranking com mais equipamentos, o governador reconhece que a proporção é necessária. "Ceilândia é a maior região do Distrito Federal. É onde nós verificamos com o processo do SOS Limpeza a maior quantidade de entulhos. Vamos atuar em todo o DF, mas priorizando os focos maiores", garantiu. 
 

Como ficam os carroceiros?


Foi Francisco Monteiro, de 50 anos, junto com seu cavalo e a carroça, quem inaugurou o despejo de resíduos no novo papa lixo. Carroceiro há oito anos, encontrou na profissão a forma de sustentar a família. "Pego entulho, pego sofá, móvel, um pouco de tudo e jogo no lixo. A gente consegue o pão de cada dia, limpando a cidade. Então a população, que não tem como pagar uma caçamba, também precisa da gente", conta. 
 
Francisco Moreira, de 50 anos, foi o primeiro a jogar entulhos no papa lixo(foto: Vinicius Cardoso Vieira/Esp. CB/D.A Press)
Francisco Moreira, de 50 anos, foi o primeiro a jogar entulhos no papa lixo (foto: Vinicius Cardoso Vieira/Esp. CB/D.A Press)
 
Apesar da importância da profissão, pelas novas normas, ela está proibida. Isso porque a Lei Distrital 5.756/16 entrou em vigor em dezembro do ano passado, proibindo a circulação das carroças pelas vias do DF. A medida, na prática, não chegou a ser implementada e o desenvolvimento de políticas públicas para fornecer soluções a quem depende do ofício, nunca foi feito pelo governo. 

O governador Ibaneis Rocha garante que trabalha para efetivar essa lei, mas que ela foi feita sem a devida avaliação do contexto no qual os carroceiros estão inseridos. "O papa entulho é realmente uma opção para a comunidade e para os carroceiros. Mas o projeto será evoluído para acabar com os carroceiros, dando a eles uma nova oportunidade de trabalho, evoluindo, para que não seja mais necessário o uso do animal."

A ideia é substituir o cavalo por motos com um reboque, trazendo o lixo para as áreas de transbordo. Para isso, o SLU deverá realizar cadastro de todos os carroceiros e dar qualificação e habilitação para dirigir os veículos. Segundo o chefe do executivo, o projeto deverá ser financiado pelo Banco de Brasília (BRB) e estar sendo aplicado em dois anos.  


Saiba mais

Papa Entulho é um equipamento para recebimento de até um metro cúbico de restos de obras, podas de árvores, móveis velhos e materiais recicláveis. Também, em parceria com o projeto Biguá da Caesb, recebe óleo de cozinha usado. A entrega pode ser feita em qualquer unidade de papa entulho por carroceiros e pela própria comunidade, inclusive por quem não vive na região. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade