Publicidade

Correio Braziliense

Arquiteto pioneiro em Brasília, Ataliba Teixeira morre aos 74 anos

Ataliba fez parte da primeira turma de arquitetura da Universidade de Brasília, em 1965, e construiu diversas casas e edifícios pela cidade; o corpo será enterrado na Ala dos Pioneiros do Cemitério Campo da Esperança


postado em 29/01/2019 21:43 / atualizado em 02/02/2019 13:13

Foto de 03/12/2004, quando Ataliba apresentava o projeto do empreendimento Ilhas do Lago(foto: Paulo H. Carvalho/CB/D.A Press)
Foto de 03/12/2004, quando Ataliba apresentava o projeto do empreendimento Ilhas do Lago (foto: Paulo H. Carvalho/CB/D.A Press)
Arquiteto pioneiro de Brasília Ataliba Teixeira, 74 anos, morreu nesta terça-feira (29/1) após sofrer um infarto fulminante em casa, às 10h. Mesmo sendo levado ao Instituto de Cardiologia, Ataliba não resistiu. Ele deixa esposa, três filhos, duas enteadas e nove netos.

Natural de Marília (SP), Ataliba chegou a Brasília na década de 1960, trazido pelo pai, Lineu Teixeira, candango que ajudou na construção da nova capital federal. Com 19 anos, estudava sobre o barro da futura cidade para conseguir uma das vagas na primeira turma de arquitetura da Universidade de Brasília (UnB).

A aprovação chegou e, entrando na UnB em 1965, Ataliba sabia que teria um futuro de muito trabalho. Havia poucas casas na recente capital e os arquitetos formados em Brasília seriam demandados em um futuro próximo. 

"Era projeto atrás de projeto. Ele teve de construir várias casas no Lago Sul, principalmente, além de criar o Centro Clínico Sul e outros edifícios. Mas o projeto mais marcante dele para mim é a minha casa. O primeiro projeto foi feito há 15 anos, e os princípios dele da arquitetura me encataram", relata Daniela Teixeira, 46 anos, uma das filhas do arquiteto.
 
Ataliba, ao fundo, apresenta o projeto do Ilhas do Lago a empreendedores(foto: Adauto Cruz/CB/D.A Press)
Ataliba, ao fundo, apresenta o projeto do Ilhas do Lago a empreendedores (foto: Adauto Cruz/CB/D.A Press)

Arquitetura prática


Ataliba Teixeira entendia que as casas deveriam ser feitas de maneira a torná-las o mais práticas possível. "Ele nunca cedeu aos caprichos dos decoradores. Não permitia, inclusive, que fizessem bons quartos de hóspedes, porque sabia que o cliente não gostaria de receber por muito tempo aquele tio chato em casa", conta Daniela.

Ele levava o entendimento da praticidade para a rotina, pensando sempre no bem-estar. "Foi nesse pensamento que ele cuidava, por exemplo, da saúde. Caminhava todos os dias, tinha uma boa alimentação. Tinha uma saúde excelente, não sofreu nos últimos dias de vida", analisa a filha.

Ataliba fazia projetos em seus últimos anos de vida. Ilhas do Lago, Lago Sul e Lago Norte eram as regiões que mais demandavam do arquiteto. As casas projetadas por ele são valorizadas na capital, sendo anunciadas como "projetada pelo renomado arquiteto Ataliba Teixeira", como mostra um anúncio.
 
Missa de sétimo dia acontecerá em igreja do Lago Sul
Missa de sétimo dia acontecerá em igreja do Lago Sul
 

Velório e missa de sétimo dia

O arquiteto Ataliba Teixeira terá o corpo velado nesta quarta-feira (30/1), no Cemitério Campo da Esperança, às 12h, na Capela 6. O enterro será às 17h, na Ala dos Pioneiros.
 
A família organiza uma missa de sétimo dia para a próxima segunda-feira (4/2). A cerimônia está prevista para começar às 18h30, e acontecerá na Igreja São Pedro de Alcântara, que fica na EQI 7/9 do Lago Sul.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade