Publicidade

Correio Braziliense

Roda de mulheres contra a violência resulta na prisão de agressores

Projeto do Comitê Nacional de Vítimas da Violência e da entidade Ação Social Caminheiros de Antônio de Pádua acontece no Sol Nascente


postado em 02/02/2019 15:42

Roda de conversas visa ajudar mulheres a se livrarem do ciclo de agressões dentro de casa(foto: Divulgação)
Roda de conversas visa ajudar mulheres a se livrarem do ciclo de agressões dentro de casa (foto: Divulgação)
 

O contorno de problemas corriqueiros na sociedade por meio de soluções concretas é o foco da parceria entre o Comitê Nacional de Vítimas da Violência (Convive) e a entidade Ação Social Caminheiros de Antônio de Pádua. Da mais nova interação — a roda de conversa Bem mais Mulher: Eu faço o meu Destino —, ocorrida na manhã de hoje na QSC 02 (Setor Habitacional Sol Nascente), brotaram exemplos do alcance da entidade, capaz de interceder e conseguir a prisão de dois agressores.

Apresentando mecanismos de passo a passo para que mulheres vítimas de violência dêem a volta por cima, a Ascap colaborou para a prisão de dois homens: o primeiro, um namorado que espancou a parceira, em conjunto com colegas; o segundo, um homem que induziu uma a filha a usar drogas para penalizar a mãe.

Na rede de terapia comunitária ofertada pela Ação Social Caminheiros de Antônio de Pádua há, para este ano, a ideia de ampliação de ações. Revelar a cada integrante vítima de agressão o potencial da união pelo empreendedorismo é a meta para ressignificar o conceito de dependência da renda familiar.

A ideia será libertar pessoas em situação de agressão do ciclo de dependência financeira de maridos ou parceiros. Outros projetos divulgados pela Convive, elaborada em construção coletiva, sob coordenação da jornalista Valéria Velasco (falecida em abril do ano passado), e pela Ascap (com mobilização de 11 voluntários), estão ligados à doação de cesta de alimentos para pessoas em situação de insegurança alimentar extrema e ainda à rede de bem estar para jovens em situação de risco, perante familiares.

Previsto no Estatuto da Criança e do Adolescente o serviço de Família Acolhedora é estimulado por meio do projeto A tempestade passa, a vida continua, que prevê acolhimento em caso de crianças afastadas dos pais. As candidaturas ao posto de Família Acolhedora podem ser feitas em inscrições pelos telefones: 99166-2649 e 3963-5049.

Outra equipe de voluntários retomará a atuação especializadas junto a crianças e adultos, na sede da Ascape (EQNO 1/3 — Ceilândia). O objetivo é atenuar problemas psicológicos derivados de traumas ocasionados a vítimas de violência. Há preferência para moradores da comundade (Setor O, Ceilândia), após triagem, mas, há possibilidade, de atendimento a pessoas de demais áreas. Os atendimentos ocorrerão segundas, quartas e sextas (entre as 9h e 12h). Mais informações: 99289-8079.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade