Publicidade

Correio Braziliense

Moradores de Taguatinga, Ceilândia e Samambaia sofrem com a insegurança

De acordo com eles, autores de pequenos roubos são presos, mas soltos em seguida. Isso mantém uma sequência de crimes preocupantes


postado em 05/02/2019 06:00

Silvana Rosa com a filha:
Silvana Rosa com a filha: "Aqui a gente tem que olhar sempre para os lados, porque é perigoso" (foto: Vinicius Cardoso Vieira/Esp. CB/D.A Press)
A bolsa sempre junto ao corpo. O celular escondido na roupa. O dinheiro da passagem reservado na mão para evitar abrir a carteira em público. Andar à luz do dia pelas ruas do Distrito Federal tem obrigado a população a ficar sempre alerta contra a ação de bandidos. Para não ser alvo de ladrões, pedestres estão mais prevenidos. Deixam de circular com pertences à mostra e, sempre que podem, preferem sacolas plásticas e bolsas pequenas que disfarçam o que está guardado. Nos centros de Ceilândia, Taguatinga e Samambaia, a sensação de insegurança impõe medo a moradores e comerciantes.

Em 28 de janeiro, um idoso de 70 anos morreu após ter o celular roubado no centro de Taguatinga, às 5h. O crime aconteceu quando Sebastião Luiz de Oliveira saía para trabalhar. Ele levou um golpe conhecido como voadora (um salto seguido de um chute nas costas) e morreu sem a chance de ser socorrido. Os suspeitos são um homem de 21 anos e uma mulher de 31, usuários de crack e conhecidos na localidade.

Na região onde o idoso agonizou no asfalto, pontos de tráfico de droga e prostituição intimidam os moradores. Quando escurece, quem mora na área próxima evita circular a pé. Izabel Domingues, 66 anos, tem um apartamento em frente à 12ª Delegacia de Polícia (Taguatinga Centro). Ela só sai de casa após as 19h se tiver alguém para buscá-la e deixá-la na porta do edifício. “Eu me programo para fazer tudo quando ainda está de dia. Só saio com essas sacolas simples, tipo ecobags, para não chamar atenção, nem me produzo muito. Evito andar com dinheiro, só saio com cartão, e o celular escondido na roupa”, detalha a costureira. Ela mora com o filho de 36 anos que sofre de esquizofrenia.

Por ser mulher, a professora Gabriela da Silva Azevedo, 34, conta que se sente mais vulnerável. Ela mora no Jardins Mangueiral, trabalha no Paranoá, mas visita a mãe, em Taguatinga. Gabriela depende do transporte público desde que o carro foi furtado em um estacionamento no início da Asa Norte, há um ano e meio. Toda a semana desembarca em Taguatinga, próximo à Praça do Relógio. “Estar junto de outras pessoas é mais seguro. Mas, para evitar ser alvo de uma situação constrangedora ou de uma abordagem, sempre guardo o celular ou deixo a mochila na parte da frente do corpo”, explica.

Apesar de as estatísticas gerais indicarem uma queda da criminalidade do Distrito Federal, o porta-voz da Polícia Militar, major Michello Bueno, explica que os centros das cidades atraem dois tipos de criminosos: os usuários de droga, que cometem assaltos e pequenos furtos para manter o vício, e os estelionatários, que enganam as pessoas para levar vantagem (leia Palavra do especialista). “Eles são profissionais e aplicam golpes em busca do lucro. A grande circulação de pessoas acaba atraindo esse público para cometimento de crimes”, esclarece.

Por essa razão, o policial militar recomenda não expor objetos de valor e andar com a bolsa ou a mochila sempre à frente. “Principalmente os criminosos que cometem pequenos roubos e furtos são constantemente presos, mas a lei os coloca em liberdade, o que gera o sentimento de impunidade para esse pessoal e eles ficam cada vez mais ousados”, reforça.

Na visão do promotor de vendas Sócrates Cortes, 38 anos, durante o dia, o movimento de pessoas e o fluxo do comércio em Taguatinga inibe um pouco a ação dos criminosos. “Mas, quando escurece, o movimento cai e fica perigoso. De madrugada a presença de usuários de droga é maior e, no dia seguinte, a gente fica sabendo do que aconteceu à noite”, ressalta.

Ceilândia

Na região vizinha, em Ceilândia, cidade mais populosa do Distrito Federal — com mais de 500 mil habitantes —, houve 6.389 assaltos a pedestres em 2018. Uma média de 532 casos por mês. As forças de segurança pública ainda registraram 568 furtos em todo o ano passado: aumento de 29,97% das ocorrências se comparado a 2017, quando houve 437 registros (veja quadro).

Joice Carla Mota Pinheiro, 31 anos, é vendedora de uma loja de calçados no centro de Ceilândia. Ela conta que semanalmente presencia furtos de celulares, bolsas e até de sapatos expostos em frente ao estabelecimento em que trabalha. “Eles pegam e saem correndo. Quando alguém grita, algumas pessoas vão atrás e tentam tomar de volta. Mas, às vezes, os assaltantes se infiltram no meio da multidão e ninguém consegue mais achar”, explica.

Moradora da cidade há 12 anos, ela se previne para evitar ser vítima. Na hora de sair, prefere não usar bolsa e também anda sempre com sacolas pequenas que não chamam atenção. “A facilidade faz com que eles assaltem mesmo. É um meio de sobrevivência desse pessoal e causa insegurança na gente. Por isso sempre ando com celular dentro da sacola e com o pouco dinheiro que posso. Aqui a gente tem que tomar cuidado”, alerta.

Há um ano A.J.S, 16, foi assaltada duas vezes quando ia para a escola. Em ambas, o assaltante, de bicicleta, levou-lhe o celular. Desde então, a aluna do 2ºano do ensino médio tem medo de ir ao colégio sozinha. “Em uma delas, o rapaz estava com uma faca. Não ando mais com o celular”, lamenta. A mãe, Silvana Rosa de Jesus, 37, conta que o marido teve de conciliar o horário de trabalho para acompanhar a filha. “Ela ficou traumatizada. Aqui a gente tem que andar com pouco dinheiro, a bolsa próxima ao corpo e olhando sempre para os lados, porque é perigoso”, destaca.

Samambaia

Em Samambaia, são constantes os relatos de furtos e roubos. Keliane Costa Araújo, 22 anos, teve o celular levado por um assaltante há um mês. Ela chegava a casa em uma quadra do centro da cidade, por volta de 14h30, quando um homem se aproximou a pé e mostrou uma arma. “Ele levou meu celular e minha mochila com tudo dentro, roupa e dinheiro. Se vacilar, aqui as pessoas roubam mesmo. Tem que andar atenta o tempo todo. Os usuários de droga e os moradores de rua também intimidam muito”, conta.

Em uma semana, Maria de Fátima Souza Silva, 27, foi assaltada duas vezes. Em uma delas, um homem armado com uma faca levou o celular. Na outra, ela esperava o ônibus na parada, quando um carro com quatro suspeitos se aproximou. Eles levaram a bolsa da estudante com documentos e dinheiro. “Só ando com bolsa pequena e olhando para os lados o tempo todo”, explica. A mãe dela, Rosana Souza, 54 anos, esconde os pertences na roupa. “O desemprego e a falta de educação influenciam na insegurança. Hoje andamos com medo, assustadas”, lamenta.

Para a família de Lígia Ferreira Franco, 55, e Antônio Francisco de Oliveira Sobrinho, 57, policiamento tem, mas a impunidade faz com que a sensação de insegurança aumente. “O bandido sai primeiro da delegacia do que o próprio policial. Até que a gente vê viaturas por aqui, mas a equipe prende e a lei solta logo em seguida. Eles (criminosos) são debochados”, conta o autônomo.

Na manhã da última quinta-feira, o casal tinha ido ao centro com a filha Ana Julia Franco de Oliveira, 12, e a sobrinha Bruna Nielson, 11. Ao andar pelas ruas, Lígia segurava firme a bolsa enquanto contava com a ajuda do marido para atravessar a pista com as adolescentes. “Aqui é caminhando com um olho no padre e outro na missa”, reforça a servidora pública.

Em nota, a Polícia Militar ressaltou que faz rondas em Ceilândia, Taguatinga e Samambaia e detalhou que os batalhões das duas primeiras cidades estão entre os três primeiros em número de prisões e apreensões, seguido do de Planaltina. “Ambos (os de Ceilândia e Taguatinga) somam mais de 4 mil pessoas detidas apenas em 2018”, informou. Mas, segundo a corporação, “a política de soltura de presos e leis benéficas têm sido grandes desafios enfrentados pela polícia do DF.”

Palavra do especialista

Nas áreas centrais das cidades, onde há pessoas fazendo diversas transações comerciais, a criminalidade tem um alvo que possui dinheiro ou que possui bens e serviços. Portanto, as pessoas têm adotado um comportamento defensivo que traduz o chamado medo do crime. Esse receio produz mudanças comportamentais, psicossomáticas e alterações no comportamento do coletivo.

As pessoas estão ficando mais conscientes de que as coisas de valor não devem estar expostas e tem ocorrido uma tomada de consciência da população em tempo de criminalidade e violência. Quando as mulheres se protegem com a bolsa, por exemplo, é devido a consciência do roubo e do furto.

E a população de rua dos grandes centros tem um forte componente de dependentes químicos. Eles veem no indivíduo comum aquele que possui alguma coisa que pode suprir a sua necessidade extrema do crack. Essa é a ideia do desespero e, portanto, a população de rua migra para onde existem pessoas que possam suprir essa ideia de compulsão obsessiva da droga.

George Felipe Dantas, consultor em segurança pública

Inclusão social

De acordo com o relatório das Nações Unidas, a insegurança é um obstáculo ao desenvolvimento econômico e social. O estudo diz que não bastam medidas de controle da criminalidade. Para uma redução duradoura da insegurança, o Relatório de Desenvolvimento Humano Regional (RDH) 2013-2014 recomenda políticas públicas que melhorem a qualidade de vida da população, com prevenção do crime e da violência por meio de um crescimento econômico inclusivo e instituições de segurança e de justiça eficazes.

Balanço

Estatística de violência nas três cidades em 2018 se comparado a 2017

Natureza criminal Ceilândia (2018 | 2017) Taguatinga (2018 | 2017) Samambaia (2018 | 2017)
Roubo a pedestre 6.389 | 6.409 3.169 | 3.651 3.295 | 4.510
Furto a pedestre 568 | 437 479 | 518 114 | 128
Roubo a comércio 324 | 380 160 | 175 181 | 195
Furto em veículo 965 | 1.081 1.059 | 1.339 399 | 467
Roubo de veículo 715 | 832 591 | 642 495 | 643
Homicídio 85 | 81 23 | 21 32 | 50
Latrocínio 8 | 5 1 | 3 2| 3
Tráfico de drogas 436 | 384 296 | 222 195 | 181
Fonte: Secretaria de Segurança Pública

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade