Publicidade

Correio Braziliense

DER começa nesta terça os reparos na pista da barragem do Lago Paranoá

Construída há 60 anos, a pista sob a barragem terá velocidade máxima reduzida para 40km/h. Em março, veículos pesados serão proibidos de trafegar nos 630 metros da pista de asfalto


postado em 05/02/2019 06:00

Equipes do GDF realizarão o recapeamento na via, com reforço de 5cm de pavimento asfáltico, além de sinalização e drenagem das saídas de água(foto: Breno Fortes/CB/D.A Press)
Equipes do GDF realizarão o recapeamento na via, com reforço de 5cm de pavimento asfáltico, além de sinalização e drenagem das saídas de água (foto: Breno Fortes/CB/D.A Press)
Após a tragédia com a barragem de rejeitos em Brumadinho (MG), o Governo do Distrito Federal (GDF) intensificou medidas de manutenção na barragem do Lago Paranoá. Uma das preocupações dos técnicos é com a circulação de veículos na via — cerca de 26 mil por dia. O trânsito pode danificar a estrutura da represa, construída há 60 anos. Para diminuir os impactos, a partir de 1° de março, o tráfego de caminhões será proibido no percurso. Além disso, a partir de amanhã,  o Departamento de Estradas de Rodagem (DER-DF) iniciará reparos ao longo dos 630 metros da pista de asfalto.

Apesar das obras, o trânsito não ficará obstruído, e a manutenção deve ser finalizada em até 15 dias, de acordo com o DER-DF. No entanto, a velocidade máxima da via será reduzida de 50km/h para 40km/h. O órgão ainda avalia se manterá essa medida como permanente ou se, com o fim dos reparos, o tráfego voltará ao normal.

Equipes do DER-DF realizarão o recapeamento na via, com reforço de 5cm de pavimento asfáltico, além de sinalização e drenagem das saídas de água. Toda a manutenção será feita por obra direta e o valor investido pelo Executivo Local será apurado após o fim dos trabalhos. O departamento ainda instalará placas sinalizando que há obras no lugar.

O diretor do DER-DF, Fauzi Nacfur, participou de vistoria na barragem, domingo. De acordo com ele, o pavimento e a base podem ser considerados bons, mas a capa asfáltica está desgastada. “Esta semana, a gente começa a restauração do pavimento, para evitar as trincas e a infiltração de água, que seria um problema para a saúde da barragem”, explicou, em vídeo divulgado pelo órgão.

Construída apenas para ser um acesso para vistoriar a barragem, a pista se tornou responsável por ligar Paranoá, Itapoã e condomínios habitacionais irregulares ao Plano Piloto, passando pelo Lago Sul. Com a ocupação desordenada, o fluxo de veículos cresceu, fazendo com que a manutenção da estrutura sexagenária se tornasse cada vez mais necessária. Ela foi construída para a formação do Lago e a geração de energia elétrica.

Caminhoneiros

Na semana passada, a Companhia Energética de Brasília (CEB) apresentou relatório ao governador, Ibaneis Rocha (MDB), mostrando que a circulação de caminhões pode ser a responsável pelas fissuras encontradas na barragem do Paranoá. Agora, técnicos do DER-DF realizam levantamento de quantos automóveis pesados passam pela pista, para traçar rotas alternativas para os caminhoneiros. Ainda neste mês, será feita instalação de placas de sinalização, informando que a circulação de caminhões permanecerá proibida.

Mesmo com os alertas, a barragem do Paranoá não apresenta problemas graves que comprometem a segurança da estrutura. De acordo com a CEB, a barragem está no nível B, que significa categoria risco médio. A companhia classifica nível A como risco alto e nível C como baixo. Em relação à estrutura da barragem, a autarquia destacou que as manutenções e vistorias ocorrem a cada 15 dias.

Prevenção

Confira ações realizadas pela CEB, periodicamente, na barragem do Lago Paranoá:

» Quinzenalmente, são realizadas leituras dos instrumentos de monitoramento da barragem;

» Mensalmente, acontece inspeção por meio de check-list de toda a estrutura da barragem;

» Bimestralmente, é realizada limpeza do terreno de toda a propriedade da barragem;

» Anualmente, ocorre inspeção regular. Neste procedimento, avalia-se todos os parâmetros e medições de forma mais detalhada, incluindo uma checagem de todo os dados coletados ao longo do ano;

» A cada sete anos, há revisão periódica por equipe multidisciplinar especializada externa.

Memória

Obra começou em 1959

Formada por rochas e terra, a Barragem do Lago Paranoá, erguida entre 1959 e 1961, tem cerca de 630 metros de extensão. Nela encontra-se a Pequena Central Hidrelétrica, com potência instalada de 30MW. A usina funciona desde 1962 e produziu, no último ano, cerca de 86,549 MWh, energia suficiente para suprir 1,5% de todo o consumo do Distrito Federal. O que é produzido, porém, entra no Sistema Interligado Nacional e é vendido a distribuidoras.  

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade