Publicidade

Correio Braziliense

Restam poucas vagas para destinos como Pirenópolis e Chapada dos Veadeiros

Restam poucas vagas de hospedagem nos principais destinos turísticos goianos próximos do Distrito Federal para o feriado. A maior oferta está em Caldas Novas, onde hotéis têm diárias para um hóspede variando de R$ 50 a R$ 800


postado em 11/02/2019 06:00 / atualizado em 11/02/2019 10:25

Parque da Chapada dos Veadeiros: as pousadas da região estão com 100% das ocupações confirmadas no primeiro carnaval com a reserva ambiental recuperada do seu maior incêndio(foto: Breno Fortes/CB/D.A Press)
Parque da Chapada dos Veadeiros: as pousadas da região estão com 100% das ocupações confirmadas no primeiro carnaval com a reserva ambiental recuperada do seu maior incêndio (foto: Breno Fortes/CB/D.A Press)
Os brasilienses que desejam curtir o carnaval fora da capital têm como opções mais próximas e econômicas as cidades goianas. Mas, faltando menos de um mês para a folia, é preciso decidir e organizar logo a viagem. Dos destinos preferidos dos moradores do Distrito Federal, Alto Paraíso e São Jorge, na região da Chapada dos Veadeiros, a 230km de Brasília, têm poucas vagas em suas 89 pousadas, que oferecem cerca de 4 mil leitos. A cidade e sua vila turística devem receber 30 mil visitantes nos quatro dias de feriado, de 2 a 5 de março.

Com pacotes de hospedagem para o período de carnaval variando de R$ 400 a R$ 13 mil, as históricas Pirenópolis e a Cidade de Goiás, (mais conhecida como Goiás Velho), distante 150km e 350km de Brasília, respectivamente, também estão com quase todos os quartos reservados. A outra opção é Caldas Novas, onde 49 (70%) dos 70 hotéis e flats de hospedagens estão com 100% de ocupação. As diárias para um hóspede na cidade famosa pelas águas quentes vão de R$ 50 a R$ 800.

Igreja Matriz de Pirenópolis: pacote de hospedagem para casal, durante quatro dias de feriado, chega a R$ 13 mil na cidade histórica(foto: Antônio Cunha/Esp. CB/D.A Press)
Igreja Matriz de Pirenópolis: pacote de hospedagem para casal, durante quatro dias de feriado, chega a R$ 13 mil na cidade histórica (foto: Antônio Cunha/Esp. CB/D.A Press)

Em Alto Paraíso, a pousada com os preços mais altos está com todos os quartos reservados. O pacote de seis dias para um casal na hospedaria custa R$ 5,3 mil. Há cerca de 50 casas de temporadas na cidade, com diárias individuais variando de R$ 60 a 200. A cidade conta também com 10 albergues que custam  entre R$ 70 e R$ 120 a noite por pessoa. Há ainda cerca de 30 áreas de camping, que comportam de 50 a 80 barracas cada. Nesse tipo de hospedagem, geralmente, se cobra por pessoa, e não por barraca. O preço médio da diária é R$ 30.

Já em Goiás Velho, a diária em um dos quatro albergues da cidade para um quarto compartilhado com quatro pessoas é de R$ 60, incluindo café da manhã e wi-fi. Os donos alertam que, apesar de a demanda estar muito cheia, ainda há vagas. Nas pousadas, por exemplo, um pacote no feriado com quatro dias para duas pessoas em um quarto com ar-condicionado fica entre R$ 1,1 mil e R$ 1,4 mil.

Um pacote de quatro dias de hospedagem para casal, durante o carnaval, em Pirenópolis, custa, em média, R$ 1,3 mil. Entre as 260 pousadas da cidade, existe uma com bangalô a R$ 23 mil por cinco noites. E não há mais vaga.

Em Goiás Velho, a diária em um dos quatro albergues para um quarto compartilhado custa R$ 60(foto: Francisco Aragao/flickr)
Em Goiás Velho, a diária em um dos quatro albergues para um quarto compartilhado custa R$ 60 (foto: Francisco Aragao/flickr)

Marchinhas

Apesar de estar lotada no feriado, Alto Paraíso não tem uma programação oficial de carnaval. As atrações ficam por conta das cachoeiras, no Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros e dos bares e restaurantes. Alguns oferecem música ao vivo. “Embora não tenha uma definição de desfile com blocos de rua, festas e shows prometem aquecer os foliões”, assegura o secretário de Cultura do município, Luiz Antônio Silva Pinto.

Em Pirenópolis, onde há um rico casario tricentenário e dezenas de cachoeiras na área rural, a programação inclui o tradicional carnaval das marchinhas, com participação da Banda Phoenix. Os shows serão sempre à tarde, na Rua Prefeito Sizenando Jaime, conhecida como Rua dos Bancos. “Haverá também desfile dos blocos no Centro Histórico e reforço no policiamento para evitar conflitos”, ressalta o secretário de Cultura da cidade, Carlos Alberto Pojo do Rego.

Turistas que visitam Caldas Novas em fevereiro já curtem a folia. Às terças-feiras e aos sábados, na Praça Mestre Orlando, no centro da cidade, há atrações como desfile de carros antigos, brinquedos infláveis, barracas com comidas típicas e as clássicas marchinhas carnavalescas. Para os dias do feriado, no entanto, ainda não há programação definida, de acordo com o secretário de Turismo, Ivan Garcia Pires. Indefinido também está o carnaval de Goiás Velho.

Sem reserva

O bancário André Franco Arruda, 26 anos, conta os dias para fazer as malas e embarcar com quatro amigos rumo a Alto Paraíso. Eles querem visitar o Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros. Este será o primeiro carnaval com a reserva totalmente recuperada do seu maior incêndio, que destruiu mais de 66 mil hectares de cerrado em outubro de 2017.

O grupo pretende ainda praticar esportes radicais. “Vamos colocar no roteiro coisas ousadas. Sim, vai ter passeios mais calmos, para observar as belezas guardadas pelos paredões rochosos, mas não podem faltar os desafios, como rapel e tirolesa perto  das quedas d’água”, comenta André. No entanto, os amigos não garantiram a estadia. “Estamos correndo contra o tempo para achar algum lugar, porque as pousadas e os hotéis estão todos cheios”, observa André.

Memória


Incêndio sem punição

O Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros sofreu com um incêndio entre 17 e 31 de outubro de 2017, o maior da sua história. As chamas consumiram 97 mil hectares da reserva ambiental. O local mais atingido fica no município de Cavalcante, onde 80% de cerrado foram atingidos.

Mais de 500 pessoas participaram da força-tarefa para extinguir o incêndio, incluindo brigadistas do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), bombeiros de Goiás e do Distrito Federal, além de voluntários. A Força Aérea Brasileira (FAB) contribuiu com aviões.

Uma perícia apontou que alguns dos focos foram encontrados em locais fora do perímetro de contenção do fogo – definido pelos profissionais das brigadas. Segundo as apurações, esse é um dos indícios que atestam a hipótese de o crime ter sido intencional. Em abril do ano passado, porém, o Ministério Público Federal (MPF) em Luziânia (GO) pediu o arquivamento do processo, alegando esgotamento de opções de investigações.



Informe-se

Centros de Atendimento ao Turista

Alto Paraíso: (62) 3446-1159
Pirenópolis: (62) 3331 2633
Cidade de Goiás (Goiás Velho): (62) 33717713
Caldas Novas: (62) 3454 6807



Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade