Publicidade

Correio Braziliense

Pronto-socorro do Hospital Regional de Taguatinga passa por reforma

Serviços não foram interrompidos e intervenções devem durar cerca de 30 dias


postado em 11/02/2019 14:25 / atualizado em 11/02/2019 14:43

A unidade de saúde, responsável pelo atendimento de até 600 pessoas por dia, não terá alteração nos serviços de assistência médica(foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
A unidade de saúde, responsável pelo atendimento de até 600 pessoas por dia, não terá alteração nos serviços de assistência médica (foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
O pronto-socorro do Hospital Regional de Taguatinga está passando por uma reforma, para adequação de alguns ambientes, além de manutenções necessárias. A unidade de saúde, responsável pelo atendimento de até 600 pessoas por dia, não terá alteração nos serviços de assistência médica. A previsão é de que a obra dure 30 dias. 

Recentemente, o pronto-socorro do hospital ficou interditado por seis dias, após sofrer um curto-circuito. O incidente provocou um princípio de incêndio que danificou quadros de energia e deixou unidade às escuras.

“Estamos realocando os pacientes dentro do próprio pronto-socorro para garantir que todos sejam atendidos. A primeira etapa começou na Pediatria, depois será a vez da Sala de Admissão, Box de Trauma, Ala Vermelha, seguindo para os demais espaços da área”, explicou a responsável pelo Núcleo Interno de Regulação, Juliana Leão Silvestre de Souza.
 
Para a superintendente da Região de Saúde, Lucilene Florêncio, esta é uma oportunidade para realizar as mudanças físicas, adequando as instalações para a implantação da metodologia do projeto Lean nas Emergências. "As mudanças vão ao encontro da metodologia proposta pelo Lean e também seguem a cartilha do programa 5S, que proporciona um ambiente de trabalho mais organizado, gerando economia de tempo, que é o que temos de mais precioso quando se trata de salvar vidas", esclareceu.
 
Projeto Lean 
 
O projeto é uma filosofia de gestão voltada para a melhoria de processos, baseada em tempo e valor, desenhada para assegurar fluxos contínuos e eliminar desperdícios e atividades de baixo valor agregado.

Um projeto-piloto foi realizado de agosto a dezembro de 2017e atuou em seis instituições públicas de saúde, treinando-as e auxiliando na implementação de melhorias para garantir agilidade e eficiência nos processos de urgências de hospitais. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade