Publicidade

Correio Braziliense

Transferência de presos do PCC aumenta preocupação com a segurança

A chegada de três líderes do Primeiro Comando da Capital (PCC) à Penitenciária Federal de Brasília faz com que o governador Ibaneis Rocha peça ao Palácio do Planalto reforço na segurança. Eles devem ficar na capital por um ano


postado em 14/02/2019 06:02 / atualizado em 14/02/2019 06:49

 Chegada de presos no aeroporto internacional de Brasilia e o comboio de transferência para Papuda(foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
Chegada de presos no aeroporto internacional de Brasilia e o comboio de transferência para Papuda (foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
A transferência de líderes do Primeiro Comando da Capital (PCC) para a Penitenciária Federal de Brasília é uma preocupação para o sistema de segurança pública do Distrito Federal diante do risco de consolidação de células da facção na cidade. Em uma operação organizada pelo Ministério da Justiça e pelo Governo de São Paulo, 22 integrantes da cúpula da organização criminosa foram levados de Presidente Venceslau (SP) para presídios federais, entre eles o de Brasília. Pelo menos três deles ficarão na cidade por 360 dias — os primeiros dois meses serão em regime de isolamento. O governador Ibaneis Rocha disse que vai cobrar apoio do governo federal para reforçar a segurança no DF e evitar a disseminação da organização.

A transferência dos líderes do PCC de uma penitenciária estadual de São Paulo para unidades federais foi determinada pela Justiça, a partir de um pedido apresentado pelo Ministério Público de São Paulo. O isolamento dos integrantes de facções é, segundo especialistas, uma das principais estratégias para enfraquecer esses grupos criminosos. Existia a expectativa de que Marcos Willians Herbas Camacho, o Marcola, um dos principais nomes do PCC, ficasse em Brasília, mas ele seguiu para Rondônia.

O Ministério da Justiça e da Segurança Pública não informa oficialmente quais presos ficarão na capital. Mas, nos bastidores, servidores do Departamento Penitenciário Nacional comentam que três dos 22 líderes foram transferidos para o DF: Alejandro Juvenal Herbas Camacho Júnior, o Marcolinha, irmão de Marcola; Antônio José Müller, o Granada; e Reinaldo Teixeira dos Santos, conhecido como Funchal ou Tio Sam. Eles chegaram à cidade pouco depois das 13h30 em um avião da Força Aérea Brasileira (FAB).

Um comboio da Polícia Federal e da Polícia Rodoviária Federal (PRF) fez a segurança ao longo do trajeto dos presos do Aeroporto Internacional de Brasília Juscelino Kubitschek até a penitenciária. Nos arredores do Jardim Botânico, batedores da PRF controlavam o tráfego de veículos e helicópteros faziam a varredura da área. Às 14h24, os detentos chegaram à região da Papuda. Oito veículos da Polícia Federal acompanharam o trajeto.

Suporte

O ministro da Justiça, Sérgio Moro, ligou para o governador Ibaneis Rocha para comunicá-lo da transferência. O chefe do Palácio do Buriti ofereceu apoio ao governo federal, mas pediu suporte para a segurança da capital com a chegada dos líderes da facção. “Eu confio muito no ministro Moro, mas vou cobrar apoio do governo federal para a nossa segurança pública”, afirmou o governador.

“São todos bandidos perigosos. Mas sou parceiro do governo federal e sei que a transferência de lideranças de facções criminosas para presídios federais é importante para isolá-las. Se o preço para acabar com essas facções for abrigá-las aqui, não tem problema. Estamos preparados para lidar com isso”, acrescentou Ibaneis. Ele reconheceu, entretanto, que a presença de lideranças de organizações pode atrair a atividade desses grupos para a cidade. O chefe do Buriti também pedirá ao governo federal apoio para garantir a segurança na região do Entorno.

Estreia

A operação do governo federal e do Governo do Estado de São Paulo envolveu a Força Aérea Brasileira, o Exército e a Polícia Rodoviária Federal. Segundo o Ministério da Justiça e Segurança Pública, a operação é a primeira ação realizada com a participação da Secretaria de Operações Integradas, criada na estrutura da Esplanada dos Ministérios.

Especialistas alertam para riscos

Existe um receio das autoridades de que a transferência dos líderes do PCC possa gerar uma onda de atentados, a exemplo do que ocorreu em 2006, quando ataques coordenados pelo grupo geraram pânico e deixaram 564 mortos. O terror difundido pelo PCC há 13 anos foi uma resposta à transferência de Marcola para Presidente Venceslau.

A socióloga Camila Nunes Dias, professora da Universidade Federal do ABC, não acredita em uma reação violenta como a registrada em 2006. Estudiosa do sistema penitenciário brasileiro e autora de tese de doutorado sobre a expansão do PCC, a especialista diz que a forma de enfrentamento ao Estado mudou. “Claro que há impacto. São líderes importantes e essa transferência reduz a capacidade de comunicação. Mas, nos últimos tempos, o PCC adquiriu uma dinâmica que independe de pessoas específicas. A facção se estruturou de maneira descentralizada, com muitas pessoas na posição de gerenciamento das atividades”, explicou Camila.

Mas, segundo ela, a transferência pode aumentar a tensão no sistema penitenciário federal, especialmente por causa das restrições às visitas de familiares, a partir de agora permitidas apenas em parlatórios e sem contato físico. As novidades estão em um decreto publicado ontem. “Havia um tensionamento por conta da proibição de visitas íntimas e, hoje, o Ministério da Justiça endureceu ainda mais, com um decreto sem nenhuma discussão prévia”, criticou Camila.

Desafios

O especialista em segurança pública Arthur Trindade, professor da Universidade de Brasília (UnB) e ex-secretário da pasta no Distrito Federal, acredita que a chegada dos líderes de facções não representa um risco grave à segurança da capital. Mas ele lembra que o sistema penitenciário do DF tem brechas e que a novidade deveria estimular a correção delas. “É preciso melhorar os protocolos e as rotinas. Há superlotação e deficit de agentes penitenciários. A constante dificuldade de controle sobre o pavilhão que abriga presos ricos impressiona”, comentou. “Os presos das facções não vão se comunicar facilmente com os detentos da Papuda. O desafio é impedir que consigam se comunicar com a direção das organizações, por meio de seus advogados”, acrescentou.

Presidente do Sindicato dos Agentes, Especialistas e Técnicos Federais de Execução Penal, Bruno Rocha explicou que ocorre um revezamento de presos nas cadeias de segurança máxima como forma de desmobilização logística das facções. “O objetivo do sistema é receber as lideranças desses grupos, e ele foi criado para isso. O Depen está passando por uma série de alterações, e o ministro tem investido na expansão do sistema penitenciário federal”, explicou. “Hoje, há uma compreensão mais acertada de que a segurança pública não passa só pelo sistema judicial e policial. Passa, necessariamente, pelo sistema penitenciário. Como todos sabem, o berço das organizações criminosas foi o sistema prisional”, analisou.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade