Publicidade

Correio Braziliense

Ibaneis anuncia uso de tornozeleiras em agressores de mulheres

Tornozeleiras eletrônicas, mutirão de exames de mama e abertura de postos de atendimentos voltados às mulheres são algumas das melhorias garantidas pelo governador


postado em 08/03/2019 14:48 / atualizado em 08/03/2019 15:01

A solenidade aconteceu na manhã desta sexta-feira (8/3), no Palácio do Buriti(foto: Vinicius Cardoso/Esp. CB/D.A Press)
A solenidade aconteceu na manhã desta sexta-feira (8/3), no Palácio do Buriti (foto: Vinicius Cardoso/Esp. CB/D.A Press)
No Dia Internacional da Mulher, o governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), prometeu melhorar os serviços públicos voltados para as mulheres. Entre as novidades, está o uso de tornozeleira eletrônicas por agressores, para que eles não se aproximem de mulheres que obteram medida protetiva na Justiça. Durante a solenidade, no Palácio do Buriti, o chefe do Executivo assinou decreto de criação do programa Sou Mais Mulher, que buscará parcerias com entidades públicas e privadas para criação de programas voltados para o público feminino. 

Ibaneis disse que trabalhará junto com as secretarias de Educação, Segurança Pública, Saúde e da Mulher para desenvolver mais programas ao longo do ano, visando o empoderamento da mulher. Entre as ações sugeridas, está a disponibilização de advogados para vítimas de violência por parte da Defensoria Pública. Segundo o governador, atualmente apenas os agressores conseguem direito à defesa. 

"Faremos mutirão de exames de mamografia até o fim de março", frisou Ibaneis. A parceria com a pasta de Saúde começa nesta sexta-feira (8/3) e pretende promover conscientização sobre o câncer de mama. De acordo com o governador, a ideia é não deixar esse tipo de iniciativa apenas para a campanha Outubro Rosa. 

A solenidade contou com a presença de autoridades femininas, como a secretária da Mulher Ericka Filippelli, a primeira dama, Nayara Noronha, e a delegada-chefe da Delegacia da Mulher (Deam), Sandra Melo. 

Atendimento

Ibaneis também criticou o modelo da Casa da Mulher Brasileira. Ele afirmou que a localização da entidade, que fica na L2 Norte, não contempla todas as vítimas de violência. "Precisamos expandir o modelo e instalar em regiões mais carentes. Há mulheres que não tem como se deslocar até o lugar e precisam de atendimento", destacou. 

O governador também garantiu que instalará pontos de atendimento às mulheres em estações da Companha do Metropolitano (Metrô-DF). A ideia é disponibilizar profissionais da polícia, psicológicos e médicos. A primeira será aberta até o fim deste mês, na Estação 102 Sul, e mais outras três devem ser inauguradas até o fim do ano.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade