Publicidade

Correio Braziliense

Onça parda morre após ser atropelada por motociclista próximo a Santa Maria

Animal foi levado ao Zoológico de Brasília com suspeita de fratura na região do quadril, mas não resistiu. Bombeiros socorreram motociclista com fratura na clavícula ao Hospital Regional de Santa Maria


postado em 09/03/2019 14:27 / atualizado em 09/03/2019 19:17

Onça parda atropelada é considerada de grande porte(foto: Corpo de Bombeiros/Divulgação)
Onça parda atropelada é considerada de grande porte (foto: Corpo de Bombeiros/Divulgação)
Um motociclista atropelou uma onça parda de grande porte na DF-001, sentido área da Marinha, próximo a região de Santa Maria. O acidente aconteceu por volta das 12h10 deste sábado (9/3). Segundo o Corpo de Bombeiros, o piloto da moto Honda CG, de 44 anos, não conseguiu frear a tempo. O homem foi levado ao Hospital Regional de Santa Maria com fratura na clavícula e escoriações na região das costas, mas estava consciente e orientado.

A onça sofreu fratura na região do quadril e foi transportada por policiais do Batalhão Ambiental ao Zoológico de Brasília. No entanto, ela não resistiu aos ferimentos e morreu antes do início de uma cirurgia. De acordo com o zoológico, ela estava com uma fratura muito grave e hemorragia interna severa.

Reportagem do Correio publicada na sexta-feira (8/3) mostrou que o Serviço de Limpeza Urbana (SLU) recolheu 3.011 animais mortos nas vias públicas do Distrito Federal, no ano passado. Em 2017, os servidores do órgão recolheram 2,9 mil bichos. Cavalos, cachorros, bois e lobos-guará são a maioria das vítimas. Geralmente, eles morrem atropelados em estradas perto de parques ecológicos e áreas com matas e rios.

Quando o animal morre, ele é retirado da pista por servidores do SLU. Já em casos em que o bicho resiste ao acidente, é encaminhado pela Polícia Militar Ambiental ao Hospital Veterinário da Universidade de Brasília (UnB). Porém, antes de chegar à unidade, os animais passam pelo Centro de Triagem e Reabilitação de Animais Silvestres (Cetas), na Floresta Nacional de Brasília.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade