Publicidade

Correio Braziliense

Vigia de hospital é acusado de agredir homem que pedia atendimento à filha

Caso aconteceu no Hospital Regional de Santa Maria, na noite de domingo. Direção diz que vigilante foi agredido pelo pai, que estava exaltado. O funcionário foi afastado enquanto os fatos são apurados


postado em 11/03/2019 13:47 / atualizado em 11/03/2019 13:48

Entrada do Hospital de Santa Maria: confusão teria começado devido à demora no atendimento(foto: Gustavo Moreno/CB/D.A Press )
Entrada do Hospital de Santa Maria: confusão teria começado devido à demora no atendimento (foto: Gustavo Moreno/CB/D.A Press )
Um vigilante do Hospital Regional de Santa Maria é acusado de ter agredido, com um empurrão e um tapa no rosto, um homem que buscava atendimento para a filha, na noite de domingo (10/3). Além disso, o supervisor do funcionário é suspeito de falsa comunicação de crime, por ter dito, ao chamar a polícia, que o homem estava armado. A direção da unidade de saúde, por sua vez, afirma que o segurança é que foi agredido, ao tentar conter o pai da criança, que teria ficado exaltado.

Segundo a Polícia Militar, a corporação foi acionada por meio do número 190 pelo supervisor do vigilante, que requisitava a presença de militares porque um homem armado estaria ameaçando a equipe. Diante do telefonema, várias viaturas foram direcionadas ao hospital. No entanto, os PMs presenciaram a confusão, que seria motivada pela demora no atendimento, mas constataram que o homem não estava armado. 
 
Os envolvidos foram levados, então, à 20ª Delegacia de Polícia (Gama) para dar suas versões da história e registro de boletim de ocorrência. Na ocasião, o supervisor foi apresentado por falsa comunicação de crime. Já o pai da menina que necessitava de atendimento disse que foi agredido com um empurrão e um tapa no rosto pelo vigilante. 

Já o hospital, em nota, afirma que o pai da criança, exaltado, chutou a mesa e a cadeira de um consultório e que, ao intervir, o vigilante acabou sendo agredido, o que motivou o acionamento da Polícia Militar. "Ambos foram encaminhados à delegacia da região e registraram boletim de ocorrência. A direção do hospital ressalta que preza pela humanização do atendimento e respeito ao cidadão e servidores", afirma o comunicado do hospital.

Ainda segundo a nota, o Instituto de Gestão Estratégica da Saúde do Distrito Federal (IGESDF) já solicitou o afastamento imediato do vigilante, que pertence a uma empresa terceirizada, e aguarda a conclusão da apuração.

Investigação continua

De acordo com o delegado da 20ª DP, Sadir Jorge, o caso ainda precisa ser esclarecido, o que deve ser feito por agentes da delegacia de Santa Maria. "O procedimento agora é encaminhar o caso para a 33ª Delegacia de Polícia (Santa Maria) para eles prosseguirem com as investigações. Vão ouvir testemunhas e esclarecer os fatos", explicou.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade