Publicidade

Correio Braziliense

Adolescentes são apreendidos em assalto a motorista de transporte pirata

Infratores de 16 e 17 anos obrigaram o motorista a dirigir em direção a Planaltina, mas foram surpreendidos por um carro da Polícia Militar no caminho


postado em 11/03/2019 20:30 / atualizado em 11/03/2019 21:11

Arma falsa era usada pelos adolescentes(foto: PMDF/Divulgação)
Arma falsa era usada pelos adolescentes (foto: PMDF/Divulgação)
A Polícia Militar apreendeu, no fim da tarde de hoje, dois adolescentes, de 16 e 17 anos, que teriam tentado assaltar um homem de 63 anos, na BR-020, na altura de Sobradinho. A suspeita da Polícia Militar é de que a vítima fazia transporte pirata e os jovens entraram no carro fingindo ser passageiros. Alguns quilômetros à frente, no entanto, anunciaram o assalto. Usando uma arma falsa, eles ordenaram que o homem dirigisse rumo a Planaltina. Uma passageira, não identificada, também estava no veículo.
 
No caminho, no entanto, o grupo avistou um carro do Batalhão de Policiamento Rural (BPR) e o motorista freiou até ficar lado a lado com a viatura. Por esse motivo, o homem foi golpeado a coronhadas e os adolescentes fugiram. Segundo o 2º sargento Fernando Marcus Pinetti, que participou da ocorrência, os policiais perceberam que um dos fugitivos portava um objeto semelhante a uma arma e priorizaram a perseguição a ele. “Conseguimos capturá-lo. O outro menor (de idade) foi no sentido oposto e contido por populares”, explicou.
 
De acordo com ele, pessoas que estavam próximas viram a situação e ajudaram na apreensão do outro jovem. A vítima recusou atendimento do Corpo de Bombeiros e foi por conta própria ao Hospital Regional de Planaltina tratar dos ferimentos. Segundo o sargento, a mulher que também estava no carro o acompanhou ao hospital e depois foi embora.
 
Os suspeitos foram levados para a Delegacia da Criança e do Adolescente (DCA), na Asa Norte. O caso foi registrado não como sequestro, mas como roubo com restrição de liberdade.
 
A vítima esteve na Delegacia, onde prestou depoimento. Ao Correio, ele disse que levou oito pontos na cabeça. "Só pensava: Seja o que Deus quiser. Quando vi a viatura, sabia que era a minha oportunidade. Comecei a dar luz alta, buzinar. Enquanto isso, eles mandavam eu continuar e me davam coronhadas na cabeça", narrou. "Quando consegui chamar a atenção e parar o carro, os dois fugiram".
 
 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade