Publicidade

Correio Braziliense

Acidente com ônibus escolar mata 2 pessoas e deixa 16 estudantes feridos

O ônibus e carro de passeio batem de frente na BR-251, no Paranoá. Duas pessoas morreram e 16 adolescentes ficaram feridos. Eles estudam Centro Educacional PAD-DF


postado em 12/03/2019 07:48 / atualizado em 12/03/2019 14:40

(foto: Ana Rayssa/CB/D.A Press)
(foto: Ana Rayssa/CB/D.A Press)
Um acidente na BR-251, envolvendo um ônibus escolar e um carro de passeio com placa de Unaí (MG), matou duas pessoas e deixou 16 adolescentes feridos, de um total de 41 que estavam no coletivo. A colisão aconteceu por volta das 7h desta terça-feira (12/3), antes do trevo da Coopa-DF, na área rural do Paranoá.



As duas pessoas que morreram são Carla Machado, 40 anos, e Rosimeire Rodrigues da Silva, 32. Elas estavam em um Corolla branco. De acordo com o Corpo de Bombeiros, os estudantes foram levados para o Hospital de Base e para hospitais da Asa Norte, do Paranoá e de Sobradinho. Cada unidade de saúde recebeu quatro vítimas.

O motorista do ônibus foi avaliado e não necessitou de tranporte. Ele fez o teste do bafômetro e o resultado foi negativo, portanto, ele não estava alcoolizado.

 

Em nota, a Secretaria de Saúde lamentou a morte das duas mulheres. A pasta ainda informou que Carla e Rosimeire eram profissionais da secretaria. Ambas eram técnicas de higiene bucal.  

 

A Secretaria de Educação também se posicionou sobre o assunto. O texto divulgado pela pasta ressalta que os estudantes estão bem e que 13 sofreram escoriações leves. 

Escola do Paranoá

O ônibus levava estudantes do Centro Educacional PAD-DF, que fica na região do Paranoá. Integrantes da direção da escola foram para o local da colisão, enquanto outra equipe se encarregou de avisar aos pais dos alunos acidentados.

"Eu os vi machucados, com cortes no rosto, boca e queixo. Inicialmente, tentei conversar com eles, mas os bombeiros pediram para gente se afastar", contou a vice-diretora do PAD-DF, Uilda da Silva. Ela relatou que os alunos estavam deitados quando chegou ao local do desastre.

Ela disse ainda que conversou com os estudantes que não estavam machucados e ligou para as famílias. No entanto, o serviço de telefonia disponível na área rural dificultou o contato. "Há falta de sinal, então ainda não conseguimos falar com todos os familiares", lamentou.

Ver galeria . 13 Fotos Ana Rayssa/Esp. CB/D.A Press
(foto: Ana Rayssa/Esp. CB/D.A Press )


Adriana Neres dos Santos, tia de um dos alunos feridos, Luís Fernando Brito, 17, só chegou ao local depois de o adolescente ser encaminhado ao hospital. "A mãe dele está internada, e eu que cuido dele. Vim desesperada e ainda não consegui informações sobre ele. Vou bater em todos os hospitais. Fiquei sabendo que ele está com um corte no queixo, mas nada confirmado", disse, preocupada.

Parentes de Rosimeire, morta no acidente, também foram até o lugar. No entanto, abalados, não conseguiram conversar.

Cena de horror

A dona de casa Maria Helena da Silva, 48 anos, estava em uma ambulância que transportava a mãe dela para o Instituto Hospital de Base quando passou pelo acidente. Assim que percebeu a situação, o motorista da ambulância encostou para prestar socorro. "Quando paramos, veio um monte de gente ferida achando que já era o transporte para levá-los ao hospital. Tinha muitos ensanguentados", contou a mulher, moradora de Dom Bosco (MG).

Segundo ela, a cena do acidente dava medo. "Trouxemos uma vítima de 16 anos. O menino estava com o nariz quebrado, o rosto tinha muito sangue. Como ele estava desmaiado, o motorista da ambulância deu prioridade. Depois que acordou, ele contou que estava com muita dor na cabeça, no pescoço e nas costas. Minha mãe tinha umas fraldas de pano na bolsa e usamos para estancar um pouco o sangue".

Maria Helena conta que ligou para a mãe do garoto para avisar sobre o acidente. "A mãe dele ficou em choque, passamos o endereço do hospital."

Pista interditada

A colisão frontal destruiu a frente dos dois veículos. A pista onde ocorreu o acidente não é duplicada e teve de ser completamente bloqueada. Equipes do Corpo de Bombeiros e Polícia Rodoviária Federal (PRF) prestaram socorro. Um helicóptero foi usado para o resgate das vítimas.

O representante da empresa de ônibus, Geraldo Pereira, acredita que o acidente foi uma fatalidade. "Em 10 anos de atuação, já vivemos situações perigosas. É uma rodovia de mão dupla. Infelizmente o motorista não teve como desviar", disse. Segundo Geraldo, o condutor do ônibus relatou que a condutora do carro de passeio tentava uma ultrapassagem, quando bateu de frente com o ônibus, que vinha no sentido oposto.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade