Publicidade

Correio Braziliense

Ração contaminada mata 13 cavalos no DF e em Goiás

Secretaria da Agricultura pede aos produtores que avisem a pasta caso haja alterações nos animais. Produto está em análise na UnB


postado em 22/03/2019 22:06 / atualizado em 22/03/2019 22:05

Misturadas aos grãos da aveia, as sementes da crotalária são visíveis, mas podem passar despercebidas (foto: Foto: Renato Araújo/Agência Brasília)
Misturadas aos grãos da aveia, as sementes da crotalária são visíveis, mas podem passar despercebidas (foto: Foto: Renato Araújo/Agência Brasília)

 

A Secretaria de Agricultura (Seagri) do DF emitiu uma nota alertando os criadores de cavalos na região de uma suspeita de ração contaminada que teria sido comercializada em Brasília e no Entorno. Treze cavalos morreram e outros 17 estão em observação após o consumo de um produto feito de aveia misturada a uma semente chamada crotalária, usada nas plantações para adubação verde do solo. 


Os casos foram identificados no Gama, em Formosa (GO), Taguatinga, Recanto das Emas e no Núcleo Rural Tabatinga, região de Planaltina. A Seagri notificou o agricultor responsável pela produção, no entanto, ainda há risco de intoxicação de outros animais.

“Alteração no comportamento dos animais ou mesmo uma desconfiança da qualidade da aveia oferecida como ração deve ser comunicada para que possamos analisar caso a caso”, alerta a subsecretária de defesa agropecuária da Seagri, Danielle Araújo.

Após a pasta ter conhecimento das primeiras mortes dos equinos, uma equipe de técnicos do governo visitou as propriedades para analisar os sintomas clínicos dos animais.

Como o problema no fígado é comum em casos de intoxicação, amostras do alimento oferecido aos bichos foram levadas para análise. Na Universidade de Brasília (UnB), uma equipe de pesquisadores detectou que a ingestão das sementes de crotalária acarretou na contaminação dos cavalos.

Intoxicação


Embora visíveis a olho nu, as sementes dessa planta, pretas e parecidas com feijões pequenos, muitas vezes passam despercebidas pelo criador de equinos. “Os agricultores costumam plantar a crotalária para fixar nitrogênio na terra”, explica a subsecretária de defesa agropecuária. “A gente suspeita que tenham plantado a aveia logo após uma retirada malfeita da crotalária. Então, ela rebrotou junto com a aveia e, na colheita, tudo se misturou.”

A crotalária produz uma substância secundária conhecida como alcaloide pirrolizidínico, que ataca diretamente o fígado, envenenando o sangue e sistema nervoso. Os animais podem ser salvos dependendo do porte, resistência e até mesmo da quantidade do consumo da aveia contaminada. No DF, a população de equinos está em torno de 20,4 mil.


Sintomas:


* Anorexia (alimentação seguida de vômitos)

* Agressividade

* Atordoamento

* Descoordenação

* Andar cambaleante, andar a esmo

* Tristeza

* Espasmos musculares

*Mal-estar geral

* Cabeça baixa

* Irritação
 
* Patas dianteiras em abdução e galope sem rumo
 


Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade