Publicidade

Correio Braziliense

Homem diz ser delegado, fura blitz, atropela agente do Detran e foge

A equipe da Polícia Militar fez várias tentativas de abordagem, mas o homem continuou na fuga e bateu em veículos que estavam na via


postado em 29/03/2019 17:04 / atualizado em 29/03/2019 22:31

A equipe da PM foi acionada e fez várias tentativas de abordagem, mas o homem continuou a fuga(foto: Divulgação)
A equipe da PM foi acionada e fez várias tentativas de abordagem, mas o homem continuou a fuga (foto: Divulgação)

Um homem que afirmou ser delegado da Polícia Federal furou uma blitz, atropelou um agente do Departamento de Trânsito (Detran) e fugiu. O caso aconteceu na tarde desta sexta-feira (29/3), em Vicente Pires.
 
A Polícia Militar do Distrito Federal foi acionada para uma ocorrência de apoio ao Detran. Segundo informações da corporação, o homem não obedeceu a ordem de parada e entrou em fuga, batendo em outros carros que estavam na via. 
 
A equipe, então, teve de montar uma barreira com motos, mas o condutor não se rendeu e passou por cima de uma das motocicletas. De acordo com a PM, o homem fugiu em direção a uma casa, onde ficou trancado. Os policiais cercaram a casa até que ele se rendesse.
 

Na delegacia da Polícia Civil, o suspeito confirmou que é delegado da Polícia Federal afastado do cargo e tentou justificar a ação no trânsito. “Ele disse que estava com o pai no veículo e que o mesmo sofre de problemas cardíacos. Ele disse que estavam voltando do médico e precisava chegar rápido em casa para dar o medicamento ao pai”, conta o delegado-chefe da 38ª Delegacia de Polícia Civil de Vicente Pires, Rafael Sampaio. 

Ainda segundo o delegado, o suspeito apresentou os documentos que comprovaram o atendimento do pai em unidade de saúde. Mesmo assim, o homem responderá pelas infrações de trânsito, além dos danos ao patrimônio público e privado e o crime de desobediência. A Polícia Civil informou ainda que o suspeito pagou uma fiança de R$ 2.000 e foi liberado.  

Por meio de nota, o Detran informou que “todas as medidas necessárias serão tomadas no âmbito da legislação de trânsito, bem como pelos danos causados ao patrimônio público e aos demais envolvidos”. 
 
Processo 

Nos dados do Ministério Público Federal (MPF) consta denúncia contra o delegado afastado da Polícia Federal. 

Nos registros é possível ver que nos anos de 2014 e 2015, o servidor público foi denunciado por cobrar propina para facilitar a liberação de registros de arma de fogo. 

Em abril de 2015, a Justiça determinou o afastamento cautelar de delegado federal da função. O MPF entendeu que o servidor público estava utilizando do cargo para coagir testemunhas e destruir provas. 


 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade