Publicidade

Correio Braziliense

Jovem de 22 anos é assassinado após briga de trânsito no Itapoã

Felype Anderson de Sousa, 22 anos, foi baleado pelas costas, ao menos quatro vezes, pelo condutor do carro em que ele bateu, um homem de 27, que continua foragido


postado em 11/04/2019 22:56 / atualizado em 12/04/2019 11:02

Felype Anderson de Sousa, 22 anos, foi baleado pelas costas, ao menos quatro vezes, pelo condutor do carro em que ele bateu. Autor está foragido(foto: Arquivo pessoal )
Felype Anderson de Sousa, 22 anos, foi baleado pelas costas, ao menos quatro vezes, pelo condutor do carro em que ele bateu. Autor está foragido (foto: Arquivo pessoal )

Uma briga de trânstio terminou em morte na noite desta quinta-feira (11/4), no Itapoã. Segundo a Polícia Militar, Felype Anderson de Sousa, 22 anos, foi baleado pelas costas, ao menos quatro vezes, pelo condutor do carro em que ele bateu, um homem de 27.  

A vítima, que é motorista de aplicativo, chegou a ser socorrida pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) até o Hospital Regional do Paranoá, mas morreu antes mesmo de receber atendimento médico. 

O acidente aconteceu na Avenida Comercial, altura da entrequadra 45/456, por volta das 21h. Segundo a polícia, o suspeito dirigia o veículo da irmã e fugiu do local. Ele teria ido para casa, devolvido o carro e escapado de bicicleta. Na casa da sogra do suspeito, os militares apreenderam uma pistola cabrile .380, com munição, que teria sido usada no crime, segundo a corporação informou ao Correio.

Na noite de ontem, a PM informou que faria diligências para prender o suspeito. No entanto, o homem continuava foragido até a mais recente atualização desta matéria, na manhã de hoje (12/4). O suspeito é casado e tem uma filha de um ano. No momento do crime, ele estava na companhia de uma sobrinha. Ele teria dito a familiares que não vai se entregar. 

Outro crime  

A 6ª Delegacia de Polícia (Paranoá) assumiu a investigação. A delegada-chefe, Jane Klébia Reis, convocou a imprensa para falar sobre o caso. A perícia não foi acionada, porque o local do assassinato não foi preservado, segundo a Polícia Civil. Testemunhas ouvidas ontem disseram que o autor dos disparos já ficou preso por cerca de 5 anos condenado por tentativa de assassinato. Que atualmente, trabalhava em um comércio da região. 
 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade