Publicidade

Correio Braziliense

Justiça decide que policial civil que matou PM ficará preso preventivamente

O policial civil Péricles Marcos Júnior foi submetido a audiência de custódia na manhã desta terça-feira (16/4) e juíza decidiu que ele continuará preso preventivamente


postado em 16/04/2019 10:16 / atualizado em 16/04/2019 11:58

(foto: Arquivo pessoal)
(foto: Arquivo pessoal)
  O policial civil Péricles Marcos Júnior, 39 anos, acusado de matar a tiros o primeiro-tenente da polícia militar, Herison de Oliveira Bezerra, 38 anos, vai continuar preso. Em audiência de custódia na manhã desta terça-feira (16/4), a juíza substituta do Núcleo de Audiência de Custódia (NAC), Flávia Pinheiro Brandão Oliveira decidiu que a prisão em flagrante do agente deve ser convertida em prisão preventiva. 

 

O crime aconteceu na madrugada de segunda-feira (15/4), quando o policial militar esbarrou no agente em uma boate de, Arniqueiras, em Águas Claras. O investigador sacou a arma e disparou três vezes contra o militar. Herison não resistiu aos ferimentos e morreu cerca de uma hora após ser atingido.

 
A decisão foi tomada com base nas imagens do circuito de segurança da bote, que mostram Pericles sacando a arma antes do policial militar. De acordo com o texto, Herison não teve tempo de reagir, por isso, não foi configurado legítima defesa, como Péricles havia alegado em depoimento na corregedoria da Polícia Civil. 

"Alta periculosidade" 

Na decisão, a juíza considerou que Péricles é um indivíduo de "alta periculosidade, porque, por causa de um esbarrão, atirou contra o militar em um estabelecimento com grande movimentação de pessoas". A defesa do acusado ainda solicitou liberdade provisória, mas o pedido foi negado. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade