Publicidade

Correio Braziliense

Garis entram em greve, mas empresas negociam reajuste salarial no mesmo dia

Os trabalhadores promovem nova assembleia na manhã desta quarta-feira (17/4) para decidir sobre a continuidade da paralisação, que começou à meia noite


postado em 17/04/2019 17:30 / atualizado em 17/04/2019 20:44

Os trabalhadores cobram reajuste salarial de 16%(foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
Os trabalhadores cobram reajuste salarial de 16% (foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
 
Trabalhadores de empresas ligadas à limpeza das ruas do Distrito Federal cruzaram os braços na manhã desta quarta-feira (17/4), reivindicando reajuste salarial e do ticket alimentação em 16%. No entanto, pouco tempo depois de deflagrado o movimento, as empresas responsáveis pela contratação dos empregados, a Valor Ambiental e a Sustentare, propuseram reajuste de 4% aos garis, que aceitaram a proposta em assembleia, e retomaram as atividades. 
  
De acordo com o presidente do Sindicato dos Trabalhadores de Limpeza Urbana do DF (Sinlurb-DF), José Cláudio de Oliveira, a paralisação foi decidida em assembleia realizada nessa terça-feira (16/4). "Nosso reajuste aconteceu em 2017. Nos reunimos pela manhã para avaliar as propostas", explicou o sindicato, por meio de nota. 
 
Ainda segundo José, os funcionários já não realizaram serviço de limpeza nesta quarta. Porém, por meio de nota, o Serviço de Limpeza Urbana (SLU) informou que os garis paralisaram as atividades a partir da 0h e começaram a retomar o trabalho no início da manhã. "A greve não poderia ter ocorrido sem aviso prévio de 72 horas, como estabelece a legislação, por se tratar de serviço essencial, ressaltou o texto. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade