Publicidade

Correio Braziliense

Rotary Club Brasília Sudoeste completa meio século de voluntariado

Quase tão antigo quanto a capital do país, o Rotary Club Brasília Sudoeste chega aos 50 anos cumprindo a missão de prestar serviços a quem mais precisa, no DF e no Entorno


postado em 21/04/2019 07:00 / atualizado em 22/04/2019 13:52

'Aqui (na instituição), encontro uma razão para servir. Não há nada que pague ver que o pouco que eu faço é importante para a vida de alguém,' diz Sebastião Abreu, presidente do Rotary Club Brasília Sudoeste (foto: Augusto Fernandes/Esp. CB/D.A Press )
'Aqui (na instituição), encontro uma razão para servir. Não há nada que pague ver que o pouco que eu faço é importante para a vida de alguém,' diz Sebastião Abreu, presidente do Rotary Club Brasília Sudoeste (foto: Augusto Fernandes/Esp. CB/D.A Press )
 

Para o professor de português da rede pública de ensino do Distrito Federal Sebastião Abreu, todo ser humano tem uma missão em comum na Terra: ser útil aos outros. Ao longo da sua vida, o homem de 60 anos sempre sentiu a necessidade de fazer algo que pudesse mudar a realidade de outras pessoas. Afinal, como ele explica, “todos devemos primar pelo bem-estar da comunidade”.

Foi assim que, há três anos, Sebastião encontrou o lugar perfeito para exercer a vocação. Ingressou no Rotary Club Brasília Sudoeste e, desde então, todos os dias, ele se esforça para colocar um sorriso no rosto de um desconhecido. “Aqui (na instituição), encontro uma razão para servir. Não há nada que pague ver que o pouco que eu faço é importante para a vida de alguém”, destaca.

Neste mês, o Rotary Club Brasília Sudoeste, uma das 38 unidades da associação internacional no DF, completa 50 anos de fundação — as mais antigas são o Rotary Club Brasília e o Rotary Club Brasília Taguatinga. Além de Sebastião, outros 20 associados da filial se empenham para fazer valer os principais objetivos da organização: servir ao próximo, difundir a integridade e promover a paz mundial.

“No Rotary, todos estão alinhados com os mesmos pensamentos: ouvir os apelos do próximo e fazer o possível para que esses sonhos se tornem realidade”, garante Sebastião, atual presidente do Rotary Clube Brasília Sudoeste. As reuniões do grupo, que não tem sede fixa, costumam ocorrer em uma churrascaria do Sudoeste.

A unidade criada em 9 de abril de 1969 deu importantes contribuições para Brasília e Entorno. A partir do empenho dos voluntários que integram a associação, o Rotary Clube Brasília Sudoeste desenvolveu atividades em escolas públicas, abrigos de crianças e adolescentes, asilos, hospitais e comunidades indígenas. “Agimos de acordo com as necessidades que aparecem. Queremos criar um sistema de apoio e usar a força do conjunto para alcançar algo que, sozinhos, não seria possível”, diz.


Bem-estar

Assim como todas as filiais do Rotary ao redor do mundo, a do Club Brasília Sudoeste foca na prestação de serviços humanitários. “Manter a dignidade humana é o que nós mais buscamos. Estamos dispostos a fazer o que pudermos para minimizar o sofrimento de alguém”, conta o advogado Paulo Roberto Oliveira, 68, um dos associados do Rotary Clube Brasília Sudoeste.

Nos mais de 12 anos de voluntariado na associação, Paulo aprendeu que as atitudes mais simples podem ser ao mesmo tempo as mais gratificantes. “Já ajudamos a reconstruir a cadeira de rodas de um idoso que havia sido atropelado, e ele não conteve a alegria de ver o aparelho novinho em folha. Também houve uma vez em que doamos caixas d’água para um asilo que não tinha um sistema de abastecimento, e os idosos ficaram muito agradecidos por finalmente terem água o dia inteiro”, compartilha.

Mensalmente, os associados promovem duas ações sociais em regiões carentes do DF. Eles levam cestas básicas e, como o grupo é formado por voluntários de diferentes profissões, cada um auxilia a comunidade com aquilo que sabe fazer de melhor. “Às vezes, tudo o que uma pessoa quer é ser ouvida. O pouco que conversamos é suficiente para que eu a ajude de alguma maneira. Isso me satisfaz, pois sei que estou gastando o meu tempo na Terra fazendo algo de bom”, comenta Paulo.

Com 30 anos de Rotary, o joalheiro Wander Tavares, 70, frisa que a organização tem um valor importantíssimo: a solidariedade: “É uma instituição com pessoas de bom coração e que não querem silenciar diante dos problemas ao redor. Ninguém aqui quer promover o próprio nome, mas, sim, fazer o mínimo que se espera de um ser humano. O mundo precisa de mais empatia. É  o que nós buscamos.”


Ponto cardeal

Apesar de as reuniões aconteceram em uma churrascaria do bairro, que existe há pouco mais de 20 anos, o nome do clube está ligado ao ponto cardeal, como o da maioria das filiais mais antigas do Rotary. Por isso há uma em Brasília chamada Sudoeste, fundada muito antes da região administrativa.

Pioneirismo

O Rotary Club de Brasília foi fundado em 1º de março de 1958, tendo como clube padrinho o Rotary Club de Goiânia. Foi o primeiro Rotary Club fundado no Distrito Federal, tendo surgido antes da inauguração da futura capital federal, inaugurada em 21 de abril de 1960.


Intercâmbio de jovens

Um dos principais programas do Rotary International é o intercâmbio de jovens. Todos os anos, mais de 8 mil jovens viajam para países diferentes, patrocinados por Rotary Clubs, com o intuito de estreitar os laços de amizade e fraternidade entre as diversas nações em todo o mundo, bem como promover o intercâmbio de culturas e valores, fundamentais para o estabelecimento da paz e da boa-vontade no mundo.

Memória

 

Instituição respeitada

O Rotary é uma instituição de clubes de serviços que une voluntários com o objetivo de prestar serviços humanitários, promover valores éticos e a paz a nível internacional. O primeiro Rotary Club foi fundado em Chicago, Estados Unidos, em 1905 pelo advogado Paul Harris e três homens de negócios, Gustav Loehr, Hiran Shorey e Silvester Schiele.

Depois de apenas 16 anos da sua fundação, o Rotary já tinha clubes em seis continentes. Hoje são mais de 34 mil clubes Rotary no mundo, com cerca de 1,2 milhão de associados.

Entre outras ações, em 1979, o Rotary Club começou uma luta contra a pólio, por meio de um projeto para imunizar 6 milhões de crianças nas Filipinas. Em 1988, a doença assolava 125 nações; hoje, apenas três países continuam endêmicos, e integrantes dos Rotary continuam ajudando no combate à doença (foto).

O Rotary está na origem da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), e da Organização das Nações Unidas (ONU), onde tem assento permanente, um status que, tirando nações, só o Rotary, a Cruz Vermelha e o Vaticano têm.


Para saber mais

Fundo mundial

Advinda do Rotary Club, Fundação Rotária teve início em 1917 com um fundo de dotações com o objetivo de fazer o bem no mundo, embora tenha sido oficialmente estabelecido em 1928. Todos os subsídios da Fundação Rotária são iniciados por clubes.

A fundação é patrocinada exclusivamente por doações de rotarianos e outros que compartilham a visão de um mundo melhor. As contribuições para o Fundo Anual de Programas são investidas durante três anos, sendo os rendimentos obtidos também utilizados para cobrir os custos administrativos da entidade, isto é, os dólares doados financiam os programas três anos mais tarde.

As doações feitas ao Fundo Permanente permanecem continuamente investidas, e apenas os juros resultantes são usados em apoio aos programas.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade