Publicidade

Correio Braziliense

Fábrica Social abre 1,2 mil vagas para cursos profissionalizantes gratuitos

Objetivo é aumentar a empregabilidade entre a população de baixa renda. Prazo termina em 9 de maio


postado em 23/04/2019 06:00

A maioria das oportunidades é para o curso de confecção de vestuário(foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
A maioria das oportunidades é para o curso de confecção de vestuário (foto: Ed Alves/CB/D.A Press)

A Fábrica Social, centro de capacitação profissional vinculado à Secretaria de Trabalho, vai oferecer 1,2 mil vagas em cursos profissionalizantes. As inscrições serão abertas hoje e podem ser feitas até 9 de maio. Este é o primeiro processo seletivo da Fábrica Social em 2019, e os alunos terão, pela primeira vez, a possibilidade de fazer estágio em empresas. A maioria das vagas é para o curso de confecção de vestuário, mas há oportunidades nas áreas de jardinagem e cultivo de alimentos, marcenaria sustentável, construção civil e produção de painéis solares.

Os selecionados para participar dos cursos da Fábrica Social recebem auxílio-alimentação, vale-transporte e, dependendo do desempenho, podem receber uma bolsa, que chega a R$ 420. Entre os requisitos para participar, estão a inscrição atualizada no Cadastro Único de Programas Sociais do governo federal, residir no Distrito Federal, ter renda familiar per capita de até R$ 178, idade mínima de 16 anos e não ter participado de nenhum processo de capacitação e qualificação do Programa Fábrica Social.

O subsecretário de Integração das Ações Sociais da Secretaria de Trabalho, Gerson Vicente de Paula Júnior, explica que, além do estágio para os alunos de vestuário, construção civil e painéis fotovoltaicos, o governo negocia uma parceria com as escolas da rede pública, para que os alunos dos cursos profissionalizantes atuem nas reformas dos colégios. “A Fábrica Social é um programa de formação profissional para geração de renda e com foco em aumentar a possibilidade de empregabilidade”, explica.

O curso na área de vestuário é o que tem a maior oferta de vagas por conta da demanda das empresas do setor. A Fábrica Social tem quase 500 máquinas industriais, que são usadas na formação dos futuros profissionais. “Os empresários que receberem os estagiários terão que seguir nosso plano pedagógico e não poderão demitir nenhum funcionário contratado por conta da chegada dos nossos alunos”, explica Gérson de Paula. “Com o estágio, nossa expectativa é de que as chances de o aluno ser contratado cresçam pelo menos 60%”, acrescenta.

Sorteio

Entre as vagas oferecidas, 85% serão para o cadastro geral, 5% para pessoas com deficiência, 5% para idosos e 5% para adolescentes em conflito com a lei. O sorteio dos candidatos ocorrerá em 13 de maio, por meio de um sistema informatizado. As aulas da Fábrica Social começam em 10 de junho.

A Secretaria de Trabalho também vai formar um centro de economia solidária. “Queremos fazer arranjos produtivos com esses alunos, que ficarão em incubadoras de empresas no escopo do programa e vão se organizar para constituir um negócio. A ideia é impulsionar o empreendedorismo”, diz Gérson de Paula.

"Queremos fazer arranjos produtivos com esses alunos, que ficarão em incubadoras de empresas no escopo do programa e vão se organizar para constituir um negócio. A ideia é impulsionar o empreendedorismo”
Gérson de Paula, subsecretário de Integração de Ações Sociais

Serviço

Os interessados em participar do processo seletivo para as 1,2 mil vagas devem se inscrever de hoje a 9 de maio, pelo telefone 0800 645 9445. O sorteio dos candidatos ocorrerá em 13 de maio, por meio de um sistema informatizado.

Cursos e vagas

Confecção de vestuário, acessórios e materiais esportivos: 1 mil vagas
Sistemas fotovoltaicos (painéis solares): 50 vagas
Jardinagem e cultivo de alimentos: 50 vagas
Marcenaria sustentável: 50 vagas
Construção civil: 50 vagas

Pré-requisitos:

Ter cadastro atualizado no Cadastro Único de Programas Sociais do Governo Federal e residir no Distrito Federal, ter renda familiar per capita de até R$ 178, idade mínima de 16 anos e não ter participado de nenhum processo de capacitação e qualificação do Programa Fábrica Social.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade