Publicidade

Correio Braziliense

CEB estuda usar resíduos sólidos para geração de energia, diz presidente

Segundo Edison Garcia, o DF tem condições de de utilizar 100% dos resíduos sólidos da região para geração de energia


postado em 23/04/2019 19:53 / atualizado em 23/04/2019 19:53

Garcia foi o entrevistado do programa desta terça-feira (23/4)(foto: Barbara Cabral/Esp. CB/D.A Press)
Garcia foi o entrevistado do programa desta terça-feira (23/4) (foto: Barbara Cabral/Esp. CB/D.A Press)

O presidente da Companhia Energética de Brasília (CEB), Edison Garcia, afirmou, em entrevista ao CB.Poder desta terça-feira (23/4) - parceria do Correio com a TV Brasília - que a cidade tem condições de utilizar 100% dos resíduos sólidos para geração de energia. Ele também apresentou o projeto de podas de árvores feito pela Novacap e pela CEB, que utiliza madeira queimada de tronco de árvores como forma alternativa de geração de energia. Além disso, o presidente comentou sobre as dívidas da companhia.

De acordo com Edison, a CEB, com a Secretaria do Meio Ambiente, a Universidade de Brasília (UnB) e o Serviço de Limpeza Urbana (SLU), está utilizando o lixão da Estrutural como fonte de pesquisa de resíduo sólido para geração de energia. “Hoje, temos condição de ter no DF a utilização de 100% dos resíduos sólidos para geração de energia. É um estudo bem adiantado e que está avançado”, afirmou. Segundo ele, há uma agenda com o secretário do Meio Ambiente, Sarney Filho, para dar seguimento ao projeto. 

Além desses estudos, há incentivos para empresários que queiram investir na geração distribuída e incentivos a residências que instalam placas geradoras de energia durante o dia. 

Questionado sobre o endividamento da companhia, Garcia disse que a CEB trabalha para reduzir as perdas. “Estamos trabalhando em um plano de negócios para reequacionar a dívida e, em um curto espaço de tempo, aumentar a receita e reduzir perdas”, disse.

A respeito dos estragos causados pela chuva no começo da semana, o presidente da companhia frisou que a CEB é preparada para corrigir os problemas, porém, os "gatos” - ligações clandestinas de energia - atrapalham a capacidade de atendimento. “Queremos discutir com as autoridades a tentativa de regularizar a energia de caráter precário, pois as comunidades estão estabelecidas, mas não são regularizadas; então, não temos condições legais e técnicas de fazer uma instalação”, admitiu.

Edison Garcia também afirmou que há um projeto da CEB, com a Secretária de Obras, de instalação de luz de LED em toda a cidade, para substituir a iluminação comum. Segundo ele, o principal objetivo é aumentar a segurança pública. “Analisamos o mapa da violência e identificamos alguns locais, como porta de hospitais e escolas. São locais que a comunidade frequenta e que acreditamos que, melhorando a qualidade da iluminação, possa dar mais segurança”, explicou. 

Hoje, há 300 mil pontos de LED instalados na cidade. O projeto deve ser concluído em até quatro anos e pretende diminuir os gastos energéticos. “Hoje, com iluminação pública, gastamos R$ 140 milhões. Essa nova fonte de energia deve reduzir o custo para cerca de R$ 50 e R$ 60 milhões por ano”, afirmou o presidente. 
 
Confira a entrevista na íntegra: 
 
 
 
 
* Estagiária sob supervisão de Mariana Niederauer 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade