Publicidade

Correio Braziliense

Justiça intima população para ação popular contra a queda do "Eixão Sul"

Acidente ocorreu em fevereiro de 2018. Segundo o TJDFT caso não haja manifestação pública, o caso será arquivado


postado em 24/04/2019 23:02

(foto: Breno Fortes/CB/D.A Press)
(foto: Breno Fortes/CB/D.A Press)
A Vara de Meio Ambiente, Desenvolvimento Urbano e Fundiário do Distrito Federal publicou, nesta quarta-feira (24/4),  edital para intimar, dentro do prazo de 90 dias, qualquer cidadão interessado em dar seguimento à ação popular, que tem por objeto a responsabilização por danos relativos ao desabamento do viaduto do "Eixão Sul", ocorrido em 6 de fevereiro de 2018.

A publicação do edital faz-se necessária, conforme artigo 9º, da Lei 4.717/1965, uma vez que, devidamente intimado, o autor da ação popular não compareceu para dar andamento à demanda. O Ministério Público, por sua vez, manifestou-se no sentido de que, embora haja evidente interesse público, não existem elementos suficientes para promover o prosseguimento da ação. 

No entanto, destacou que foi instaurado inquérito civil para apuração dos fatos. Afirmou, ainda, que restam pendentes diligências para o completo levantamento das responsabilidades, para que então sejam promovidas eventuais medidas judiciais cabíveis.

A ação popular foi ajuizada por Paulo Goyaz Alves da Silva contra Márcio Augusto Roma Buzar, Júlio César Menegotto, Companhia Urbanizadora da Nova Capital do Brasil (Novacap) e Distrito Federal. 

O autor propôs a ação popular sob a alegação de que a omissão dos requeridos foi a principal causa do desabamento do viaduto da Galeria dos Estados. Solicitou, assim, o afastamento dos agentes públicos apontados, bem como a condenação em reparar os prejuízos causados. 

 O Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT) informou que caso não surjam interessados em dar seguimento à ação popular, o processo deverá ser extinto.
 
*Com informações do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade