Publicidade

Correio Braziliense

Anomalia de nascença permitiu à polícia achar bebê roubado há 38 anos no DF

Segundo o delegado responsável pelo caso, o fato de a criança ter nascido com uma condição chamada sindactilia foi crucial para que as buscas chegassem ao fim


postado em 25/04/2019 16:11 / atualizado em 25/04/2019 16:31

Delegado Murilo Freitas: 'Não podemos mudar o passado, mas podemos possibilitar um novo futuro'(foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
Delegado Murilo Freitas: 'Não podemos mudar o passado, mas podemos possibilitar um novo futuro' (foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
A união de Sueli Gomes da Silva, 56 anos, com o filho tirado dela ainda recém-nascido, há 38 anos, exigiu um longo trabalho de apuração da Polícia Civil do Distrito Federal. Foram 15 pessoas investigadas e a busca por documentos e registros hospitalares até que mãe e filho, finalmente, se encontrassem. No entanto, um detalhe foi crucial para que os investigadores soubessem que tinham chegado mesmo a Luís Miguel: uma leve anomalia congênita nas mãos.

Segundo o delegado responsável pelo caso, Murilo Freitas, da 14ª Delegacia de Polícia, Sueli contou aos investigadores que seu filho havia nascido com sindactilia, uma condição congênita que deixa dedos dos pés ou das mãos "grudados". Quando as buscas apontaram que o filho da moradora de Brasília era um homem que atualmente vive na Paraíba, investigadores perguntaram a ele se tinha nascido com a anomalia. "E ele confirmou que nasceu assim e que realizou uma cirurgia nas mãos", conta Freitas.

A resposta de Luís Miguel, registrado como Ricardo Gomes pela família que o criou, fez os investigadores terem certeza de que as buscas tinham terminado, conforme comprovaram exames de DNA realizados logo em seguida. "Mesmo enfrentando muitas dificuldades, sempre fomos motivados a propiciar uma resposta humana, um reencontro de uma mãe com um pedaço dela mesma", diz o delegado.

Seis anos de buscas

Sueli procurou a polícia em 2013, depois de passar décadas sofrendo em silêncio. Ela tinha 16 anos quando deu à luz Luís Miguel, em 1981, e teve a criança tirada de seus braços dois dias após o nascimento do filho, logo depois de receber alta do Hospital Regional do Gama. Ela apontou como principais responsáveis pela subtração da criança um casal de funcionários e a mulher que dirigia o orfanato onde vivia desde os 9 anos.

A então adolescente foi ordenada a esquecer o filho, mas não aceitou o que tinham feito com ela. Quando conseguiu se sustentar sozinha, deixou o orfanato e passou a buscar pelo filho. O pedido de ajuda à polícia foi feito por meio de uma carta, na qual contou sua história e denunciou todos os abusos e violências que havia sofrido. 

Segundo o delegado, assim que souberam da história, os investigadores perceberam que dificilmente alguém seria punido. "A gente já percebia que muitos dos crimes apontados não seriam mais alcançáveis pela lei. Principalmente devido à prescrição penal, já que estamos falando de algo acontecido há quase quatro décadas", diz o policial. Depois, as investigações mostraram que os autores do crime já tinham morrido. O objetivo era mesmo unir mãe e filho.

Dificuldades

Sueli: encontro com o filho aós 38 anos de espera(foto: Arquivo pessoal)
Sueli: encontro com o filho aós 38 anos de espera (foto: Arquivo pessoal)
Segundo Freitas, foi uma investigação muito difícil, porque o crime aconteceu quando não havia registros eletrônicos. "Tivemos que acessar muitos arquivos físicos. E, mesmo nessa pesquisa, não conseguimos identificar nenhum registro do nascimento no hospital, o que nos levou até a questionar se esse menino havia mesmo nascido", conta o policial. 

O trabalho, contudo, prosseguiu e foram ouvidas 15 pessoas, até que as investigações apontaram para uma família que havia morado no Gama, mudou-se para a Paraíba e tinha um filho que estava com 38 anos. "A partir de determinado momento, coincidências foram apontando para ele. Nós, da Polícia Civil, não podemos mudar o passado, mas podemos, com muito empenho e vontade, possibilitar um novo futuro", diz Freitas.

O futuro começa a ser construído. Na noite de quarta-feira, Sueli e Luís Miguel conversaram pela primeira vez, por meio de uma chamada de vídeo. "Foi mágico", diz a mãe. O primeiro encontro acontecerá em breve, em Brasília. "É uma linda história, com um lindo final", comemora Sueli.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade