Publicidade

Correio Braziliense

Justiça condena homem que matou jovem em guerra de gangues

O crime foi cometido em 2010, na Quadra 509 do Recanto das Emas. Acusado não poderá recorrer em liberdade


postado em 15/05/2019 21:11 / atualizado em 15/05/2019 21:11

(foto: Maurenilson Freire/CB/D.A Press)
(foto: Maurenilson Freire/CB/D.A Press)
 

Nove anos após um assassinato motivado por guerra entre gangues, a Justiça do DF condenou Alexandre de Souza a 27 anos de prisão. Ele é acusado do homicídio qualificado de Paulo Fernando da Silva Mendonça e cumprirá a pena, decretada na terça-feira (14/5), em regime inicial fechado.

 

O crime ocorreu em janeiro de 2010, na Quadra 509 do Recanto das Emas. Os jurados acolheram as duas qualificadoras sustentadas na denúncia: motive torpe, em razão de guerra entre gangues; e de forma que dificultou a defesa da vítima, que foi pega de surpresa. O réu é reincidente nesse tipo de crime e, por isso, não poderá recorrer em liberdade.

 

De acordo com a denúncia do Ministério Público do DF e Territórios (MPDFT), a vítima foi surpreendida com a ação do réu, que chegou de forma sorrateira e, sem dizer nada, sacou a arma e disparou três tiros à queima-roupa. À época, Paulo era um dos beneficiados pelo saidão do Centro de Atendimento Juvenil Especializado da Granja das Oliveiras (Caje).

 

“O resultado desse julgamento demonstra que a sociedade do Recanto das Emas não admite a prática de crimes tão graves. A resposta efetiva do júri demonstra, ainda, que a guerra entre gangues e os crimes praticados mediante emboscada não ficarão impunes. A pena se mostrou justa considerada a gravidade do crime e a frieza que o réu praticou a ação delitiva”, reforçou o promotor de Justiça que atuou no caso, Rafael Leandro Ribeiro.

 

Com informações do MPDFT 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade