Publicidade

Correio Braziliense

Ibaneis pede mobilização de toda a sociedade contra o feminicídio

Após morte de professora dentro de prédio da Secretaria de Educação, o governador Ibaneis Rocha conclamou a sociedade para frear esse tipo de crime: 'Precisamos da contribuição de todos'


postado em 20/05/2019 13:45 / atualizado em 20/05/2019 21:25

Policiais fazem perícia no prédio em que Debora Tereza Correa foi assassinada pelo companheiro(foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press )
Policiais fazem perícia no prédio em que Debora Tereza Correa foi assassinada pelo companheiro (foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press )
O governador Ibaneis Rocha (MDB) lamentou o caso feminicídio ocorrido na Coordenação Regional de Ensino do Plano Piloto e Cruzeiro, na 511 Norte, na manhã desta segunda-feira (20/5), e anunciou que o governo vai investir em campanhas para combater casos de feminicídios.

 

"É um crime bárbaro, cruel. Estamos fazendo todos os esforços, mas infelizmente vamos ter que fazer muitas campanhas de esclarecimento, para que a gente tenha não só as mulheres fazendo denúncias e se protegendo, mas também os vizinhos, os familiares", ressaltou.

 

Segundo o governador, para combater casos de feminicídio é necessária contriuição da sociedade. "É um crime que surge de forma muito sorrateira e vamos precisar da contribuição de todos no combate ao feminicídio. Toda a sociedade tem que estar mobilizada", afirmou.

 

"Mulheres não devem se calar"

Para isso, ele disse que vai fazer campanha publicitária para denúncia de familiares e de vizinhos. "Temos que ter atuação mais forte, precisamos do poder judiciário também mais presente. As mulheres não devem de maneira nenhuma se calar", destacou.

Ibaneis ainda disse que o foco é reduzir os índices de feminicídio. "Estamos revoltados, entristecidos com o que aconteceu, mas vamos empreender todos os esforços necessários para reduzir esses índices."

A secretária da Mulher, Ericka Filippelli, disse que a pasta trabalha com a retomada de um comitê com foco na integração entre os órgãos públicos para combate à violência contra a mulher. "Neste primeiro momento, podemos fortalecer os organismos não governamentais que atuam atendendo mulheres junto às comunidades. O projeto de governo é conseguir instalar centros especializados de atendimento em cada uma das cidades mais vulneráveis", comentou.

Colaborou Bruna Lima

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade