Publicidade

Correio Braziliense

Após feminicídio de professora, colegas cobram medidas contra a violência

Protesto na porta do prédio onde professora foi assassinada pelo ex-namorado cobra medidas eficientes para garantir a segurança das mulheres. GDF quer criar câmara técnica voltada para elas


postado em 22/05/2019 06:00 / atualizado em 22/05/2019 10:42

"Quem tem a vida ceifada é a vítima de toda a situação estrutural da nossa sociedade. Se o homem não consegue enxergar e respeitar a mulher como igual a ele, que tem direitos próprios e independência, ele precisa de ajuda médica, psicológica. Não é simplesmente achar que tem o direito de matar" Lúcia Bessa, advogada e diretora de Gênero do Fórum de Mulheres do Mercosul (foto: Ed Alves/CB/D.A Press)


Amigos, conhecidos e colegas sensibilizados com a morte de Debora Tereza Correa, 43 anos, realizaram nesta terça-feira (21/5) um ato contra os casos de feminicídio no Distrito Federal. A professora de português é a 13ª vítima neste ano, conforme levantamento do Correio. Na porta da sede da Coordenação Regional de Ensino do Plano Piloto e Cruzeiro, na 511 Norte, onde Debora trabalhava, cerca de 70 pessoas questionaram a segurança das mulheres e, inclusive, dos servidores da Educação.

A professora Deborah Von, 30, compartilha não só o nome da vítima, mas a profissão. Ela estava no 1º andar do prédio quando escutou o som dos tiros disparados pelo policial civil Sergio Murilo dos Santos. “Foi como se uma parte de nós também morresse ali. É algo tão surreal e absurdo, muito difícil assimilar”, lamentou.

Para Neliane Maria da Cunha, 41, da Frente de Mulheres Negras do DF e Entorno, a morte de Debora se tornou um exemplo da luta contra o feminicídio. “O que mais nos deixa indignados é o fato de ela ter pedido socorro e não ter recebido a ajuda necessária. A nossa luta é para mostrar que Debora não é estatística. Ela é história, e precisamos lutar para que não surja mais nenhuma”, ressaltou a militante.
 
Manifestacao apos o feminicidio da professora Debora Tereza Correa(foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
Manifestacao apos o feminicidio da professora Debora Tereza Correa (foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
 

Dever do Estado

“A primeira responsabilidade é a do Estado, que é falho nas políticas públicas de segurança das mulheres.” A afirmação da advogada e diretora de Gênero do Fórum de Mulheres do Mercosul, Lúcia Bessa, atribui a recorrência de feminicídios e de violência doméstica à falta de manutenção dos mecanismos de defesa das vítimas. “A única delegacia especializada para o atendimento da mulher é no Plano Piloto e deveria ser expandida para regiões onde há muitos casos de feminicídio, como Ceilândia, Sobradinho e Santa Maria, por exemplo”, justificou.

A maneira com que tantas mulheres são tratadas mostra, para a especialista, que a cultura do machismo está enraizada na sociedade brasileira. “Quem tem a vida ceifada é a vítima de toda a situação estrutural da nossa sociedade. Se o homem não consegue enxergar e respeitar a mulher como igual a ele, que tem direitos próprios e independência, ele precisa de ajuda médica, psicológica. Não é simplesmente achar que tem o direito de matar”, alertou Lúcia.

Lúcia acredita que a punição penal é necessária aos agressores, mas que não basta para mudar as estatísticas. “Além de tratar a mente doente do homem e fornecer assistência à mulher, precisa-se implementar medidas a longo prazo”. Entre as sugestões dela estão o trabalho preventivo dentro das escolas a fim de interromper a reprodução da cultura machista pelas próximas gerações, e a elaboração de ações públicas para atender crianças e adolescentes vítimas de violência.

A secretária da Mulher do DF, Ericka Filippelli, afirmou que a pasta trabalha para restabelecer a câmara técnica voltada à criação de políticas e ações públicas em proteção à vida das mulheres. “O comitê visa à integração eficiente dos órgãos públicos para combate da violência contra a mulher. A minuta de criação para esta câmara foi enviada. Nesse primeiro momento, podemos fortalecer os organismos não governamentais que atuam atendendo as mulheres nas comunidades. O projeto de governo é conseguir instalar centros especializados em cada uma das cidades mais vulneráveis”, especifica.

Atualmente, a secretaria coordena os três Centros de Atendimento à Mulher, espaços que fornecem assistência psicológica e social e realiza encaminhamentos jurídicos às vítimas. As unidades ficam na estação de metrô da 102 Sul, em Planaltina e em Ceilândia. O atendimento às famílias e aos autores de violência doméstica também é prestado em outros nove núcleos, que ficam em Brazlândia, Gama, Núcleo Bandeirante, Paranoá, Planaltina, Samambaia, Santa Maria, Sobradinho e Plano Piloto.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade