Publicidade

Correio Braziliense

Polícia Civil apreende 50 mil cigarros contrabandeados em distribuidora

A ação da DPcon ocorreu em Sobradinho, na tarde desta quinta-feira. Um comerciante de 47 acabou preso, mas pagou fiança de R$ 1 mil e foi liberado


postado em 23/05/2019 20:24 / atualizado em 23/05/2019 20:24

Cerca 50 mil cigarros ilegais foram apreendidos durante a ação(foto: PCDF/Divulgação)
Cerca 50 mil cigarros ilegais foram apreendidos durante a ação (foto: PCDF/Divulgação)
Um comerciante de 47 anos foi preso em flagrante com cerca de 50 mil carteiras de cigarros contrabandeados, durante uma operação da Divisão de Proteção ao Consumidor (DPcon), vinculada à Coordenação de Repressão aos Crimes Contra o Consumidor, a Ordem Tributária e a Fraudes (Corf). A ação aconteceu na tarde desta quinta-feira (23/5), em uma distribuidora de bebidas da Quadra 55A, no Condomínio Sobradinho Novo, em Sobradinho. 

Segundo o diretor da DPcon, Marcelo Portela, a unidade especializada recebeu uma denúncia anônima sobre a venda ilegal dos cigarros. Investigadores se deslocaram até o comércio e confirmaram o crime. “Durante o levantamento das informações, o homem vendia os produtos de forma velada. Em alguns momentos, ele escondia as carteiras sob o balcão do local”, detalha. 

O suspeito foi detido por descaminho (crime contra a ordem tributária), pagou R$ 1 mil de fiança e responderá o processo em liberdade, pois o comerciante não tem antecedentes criminais. Se condenado, pode pegar de 2 a 5 anos de prisão — a mesma estipulada para o crime de contrabando.

De acordo com Marcelo Portela, o combate à venda de produtos contrabandeados é importante para impedir outros possíveis delitos. “Essas mercadorias entram ilicitamente no Brasil e claramente patrocina o crime organizado. É muito comum nessas apreensões também encontramos drogas e armas. Portanto, devemos  inibir essas ações”, destaca o delegado. 

“No Distrito Federal, temos sucesso em impedir a venda de cigarros contrabandeados, ao menos de forma indiscriminada, por um árduo trabalho da delegacia. O comércio ilegal também impacta no recolhimento de impostos e gera uma concorrência completamente desleal com as empresas que produzem os cigarros, que estão dentro da lei e pagam os tributos corretamente”, acrescenta. 

Após esta apreensão de cigarros, a DPcon investigará a origem destas mercadorias. O objetivo é apurar se por trás desta grande quantidade de carteiras há um grupo organizado que faz o contrabando dos produtos para o Distrito Federal. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade