Publicidade

Correio Braziliense

Vereador e secretário são investigados por receber propina de funerária

Polícia Civil faz buscas na casa de vereador e do secretário de transportes de Planaltina de Goiás. A suspeita é que a dupla recebe repasses ilegais de uma funerária que atua no cemitério da cidade


postado em 14/06/2019 10:05 / atualizado em 14/06/2019 10:36

Policiais civis fazem buscas na casa de vereador e no gabinete de secretário de Planaltina de Goiás, para apurar suspeita de corrução envolvendo funerária (foto: Divulgação/PCGO)
Policiais civis fazem buscas na casa de vereador e no gabinete de secretário de Planaltina de Goiás, para apurar suspeita de corrução envolvendo funerária (foto: Divulgação/PCGO)
A Polícia Civil de Planaltina de Goiás cumpriu, nesta sexta-feira (14/6), mandados de busca e apreensão na casa de um vereador da cidade e do secretário de Transportes. Os dois são suspeitos de receber repasses de uma funerária que opera sem licitação no cemitério do município goiano distante 60km de Brasília. 
 
O delegado Cristiomário Medeiros explica que a ação de hoje é a segunda fase da operação Redenção. "A primeira fase foi na segunda-feira (10/6). Nós fomos ao cemitério e recolhemos documentos. Encontramos anotações que mostram os repasses que uma funcionária fazia ao vereador, em valores entre R$ 150 e R$ 200”, afirmou. 

De acordo com ele, os pagamentos são feitos pelo menos desde 2017, quando o político assumiu o posto de vereador. "A funerária atua no cemitério há mais de 10 anos. Eles cobram R$ 900 dos familiares que querem enterrar uma pessoa para fazer a campa, que é a abertura da cova, e a estrutura de tijolos feita em cima", descreve o delegado. "Só que na verdade, a cova é feita pela prefeitura. Eles até poderiam cobrar pela estrutura, mas não têm licitação para isso", conclui. 

As investigações apontam que cerca de um terço do valor cobrado das famílias é repassado ao vereador e ao secretário. "Nas buscas de hoje, nós recolhemos documentos suspeitos, que serão analisados nos próximos dias", declara Cristiomário.
 
Aguarde mais informações.  
 
 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade