Publicidade

Correio Braziliense

Autoescola fecha e deixa alunos sem carteira de habilitação no Riacho Fundo

Os alunos se depararam com as portas do estabelecimento fechadas. O prejuízo chega a R$ 60 mil, segundo as vítimas


postado em 11/07/2019 18:55 / atualizado em 11/07/2019 18:55

Detran-DF informou que foi aberto processo de descredenciamento do centro de formação de condutores para posterior punição administrativa(foto: Antonio Cunha/CB/D.A Press)
Detran-DF informou que foi aberto processo de descredenciamento do centro de formação de condutores para posterior punição administrativa (foto: Antonio Cunha/CB/D.A Press)
Alunos de uma autoescola do Riacho Fundo 1 relatam terem sido vítimas de um golpe. Mais de 20 pessoas registraram boletim de ocorrência por terem pagado para tirar a Carteira Nacional de Habilitação (CNH) e, no fim do processo, se depararem com o local de portas fechadas e sem placa. Revoltados, criaram um grupo no WhatsApp, onde o número de vítimas é ainda maior: cerca de 40. O prejuízo chega a R$ 60 mil, segundo informaram.

A supervisora administrativa Paloma Medeiros, 22 anos, foi uma delas. Ela chegou a fazer as aulas teóricas e o simulador. “Quando fui marcar a prova, liguei lá e eles ficavam adiando a data, até que deu um mês e nada de resposta”, conta. Desconfiada de um possível golpe, ela decidiu ir presencialmente até a autoescola. “Estava tudo fechado, sem placa. Simplesmente todo mundo sumiu.” 

A jovem chegou diz ter perdido R$ 1,9 mil. Em contato com outras pessoas, descobriu que não foi a única a perder dinheiro. “Estou muito revoltada com isso tudo. Em nenhum momento passou pela minha cabeça uma situação como essa”, ressalta. Paloma procurou o Departamento de Trânsito (Detran) para saber do processo. Chegando lá, no sistema não constava que ela tinha feito as aulas, apenas os exames psicotécnico e oftalmológico. 

Em nota, o Detran esclareceu que vistoriou o estabelecimento em 21 de junho, após a entrega dos documentos necessários para a renovação do credenciamento. O órgão informou que, após a denúncia recebida, a equipe do Setor de Habilitação do Detran de Taguatinga retornou ao local em 28 de junho. “Tendo em vista que a autoescola se encontrava fechada, o acesso dos seus operadores ao sistema do Detran foi bloqueado. Foi aberto um processo de descredenciamento do centro de formação de condutores para posterior punição administrativa aos responsáveis pela empresa”, informou. 

A gerente operacional Catiane Alcântara, 43, pagou R$ 1,7 mil à vista para a autoescola. Ela também fez as aulas teóricas, mas, quando marcou o simulador, teve a mesma resposta de outras pessoas. “Eles disseram que o equipamento estava quebrado e que demoraria. Depois de um tempo, eu consegui fazer, mas, quando foi para marcar a prova, me enrolaram por três meses”, conta. 

Catiane e Paloma registraram boletim de ocorrência na 29ª Delegacia de Polícia Civil (Riacho Fundo). O delegado adjunto da unidade, Joás Borges, instaurou inquérito e recebeu mais de 20 denúncias. Segundo ele, o dono do local se apresentou na delegacia acompanhado do advogado de defesa, na semana passada. “Ele disse que estava com problemas financeiros e a autoescola faliu. Ainda estamos apurando o caso para saber se houve crime de estelionato”, informou Borges. 

Uma das vítimas, que não quis ser identificada, relatou que os filhos tiraram a CNH na autoescola investigada e, por isso, não desconfiava de nada. “Quando cheguei para fazer a prova prática, estava tudo fechado. Também registrei boletim de ocorrência, mas indicaram que eu procurasse a Defensoria Pública.”

O Correio ligou diversas vezes para o proprietário do estabelecimento, mas nenhuma das ligações havia sido atendida até a última atualização desta reportagem.

* Estagiária sob supervisão de Mariana Niederauer

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade