Publicidade

Correio Braziliense

GDF vai incluir secretarias de Esportes e Cultura na gestão de escolas

Na área cultural, a ideia é de que os colégios sejam espaços em que os estudantes possam se dedicar e se aprofundar em atividades artísticas


postado em 11/07/2019 06:00 / atualizado em 11/07/2019 10:47

(foto: Caio Gomez/CB/D.A Press)
(foto: Caio Gomez/CB/D.A Press)
Além das escolas militarizadas, o GDF investirá na gestão compartilhada de escolas com outras áreas do governo, como a cultura e o esporte. Segundo o Secretário de Educação do DF, Rafael Parente, a expectativa é de que, no início do próximo ano, seis escolas comecem a ser administradas em parceria com a Secretaria de Cultura e duas com a Secretaria de Esportes. “A nossa intenção é ampliar essa parceria para as outras áreas e secretarias também, a partir dos resultados positivos com a gestão compartilha com a Secretaria de Segurança Pública”, justifica o secretário.
 
Na área cultural, a ideia é de que os colégios sejam espaços em que os estudantes possam se dedicar e se aprofundar em atividades artísticas. Haverá escolas voltadas para áreas, como cinema, artes plásticas e cênicas, música e dança. Parente explica que os centros de ensino serão escolhidos de acordo com o perfil de cada comunidade. “Estamos buscando atender às vocações de cada escola. Também haverá integração com os pontos culturais da cidade”, detalha.

No caso da parceria com a Secretaria de Esportes, a intenção do projeto é de que as unidades ofereçam aos alunos atividades voltadas ao esporte e possam se transformar em celeiros de atletas da capital. “Além de reconhecermos a importância da educação física, vamos trabalhar com a possibilidade de formação de atletas. Serão escolas direcionadas para isso”, explica o secretário.

Rafael Parente adianta que o Centro de Ensino Médio Elefante Branco, da Asa Sul, deve ser um dos primeiros colégios a contar com a mudança. “Vamos também levar o projeto para escolas que ficam perto dos Centros Olímpicos e também queremos construir colégios ao lado dos COs”, revela.

Cada secretaria entrará com técnicos das áreas específicas para o novo modelo de gestão. Como o projeto está em fase de estudos, não foi contabilizado o valor necessário para as adaptações. Parente explica, porém, que os recursos serão obtidos por meio de emendas parlamentares e verbas federais. “Alguns deputados manifestaram interesse em colaborar”, conta.

Há estudos para que as secretarias de Ciência e Tecnologia, de Juventude e a Fundação de Apoio à Pesquisa (FAP) também façam parcerias semelhantes para a administração de escolas do Distrito Federal. De acordo com Parente, no entanto, as conversas com essas áreas são iniciais e precisam avançar para haver definição.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade