Publicidade

Correio Braziliense

Metrô faz nova proposta para fim da greve dos metroviários

Proposta garante reajuste de 6% no benefício auxílio-alimentação e 6% no ressarcimento do plano de saúde


postado em 13/07/2019 18:49 / atualizado em 14/07/2019 00:32

Metrô se compromete a abonar 20% desses dias e os outros 80% terão que ser compensando pelos empregados até 31 de março de 2020(foto: Wallace Martins/Esp. CB/D.A Press)
Metrô se compromete a abonar 20% desses dias e os outros 80% terão que ser compensando pelos empregados até 31 de março de 2020 (foto: Wallace Martins/Esp. CB/D.A Press)
A Companhia Metropolitana (Metrô-DF) apresentou uma nova porposta neste sábado (13/7) para dar fim à greve dos metroviários. A paralização começou em 2 de maio e soma 73 dias, causando um prejuizo de mais de R$7,4 milhões. O documento encaminhado ao Sindicato dos Metroviários (Sindmetrô-DF) afirma que esta é a proposta final para a formalização do novo Acordo Coletivo de Trabalho. 
 
Entre os pontos apresentados na proposta, está a jornada de trabalho diária dos pilotos de seis horas e a plicação de reajuste de 6% sobre o benefício auxílio-alimentação. Os trabalhadores passariam a receber o valor mensal de R$1.293, sem participação do empregado. O Metrô ainda propõe o reajuste de 6% sobre o benefício de ressarcimento de planos de saúde. A prosposta anterior, oferecia um reajuste de 4,67%.
 
Sobre os dias não trabalhados, o Metrô se compromete a abonar 20% desses dias e os outros 80% terão que ser compensando pelos empregados até 31 de março de 2020. Se aceita a proposta, o novo Acordo Coletivo de Trabalho terá vigência de dois anos, sendo válido até 31 de março de 2021. 
 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade