Publicidade

Correio Braziliense

Dia de Nelson Mandela: Riacho Fundo ganha 150 mudas de árvores

O trabalho voluntário Mandela Day foi realizado pela embaixada da África do Sul, em parceria com IBRAM e GDF


postado em 18/07/2019 16:49 / atualizado em 18/07/2019 20:07

Autoridades no plantio(foto: Ascom/Ibram)
Autoridades no plantio (foto: Ascom/Ibram)
Nesta quinta-feira (18/7) é celebrado o Mandela Day. Em homenagem a essa comemoração internacional, a embaixada da África do Sul — em parceria com o Governo do Distrito Federal (GDF) e com o Instituto Brasília Ambiental (IBRAM) —plantou 150 mudas de árvores nativas no Parque Ecológico do Riacho Fundo 1.  

A iniciativa contou com  a participação do ministro da embaixada da África do Sul, Fadl Nacerodien, do secretário das Relações Internacionais do DF, Pedro Luiz Rodrigues, do secretário do IBRAM, Thiago Mendes, e da administradora regional da cidade, Ana Lúcia Melo. O objetivo da  realização em Brasília é conscientizar a população e preservar a nascente do Parque.  

Autoridades presentes junto com embaixatriz da África do sul Nolukhanyo Mashimbye(foto: Ascom/Ibram)
Autoridades presentes junto com embaixatriz da África do sul Nolukhanyo Mashimbye (foto: Ascom/Ibram)
 
O  trabalho voluntário Mandela Day, declarado em dezembro de 2009, pela Assembléia Geral da Organização Nacional das Nações Unidas (ONU), faz uma homenagem a Nelson Mandela, com base aos trabalhos voltados para humanidade feitos pelo defensor da igualdade racial. Assim como Mandela dedicou os 67 anos de sua vida a ajudar os outros, a atividade, consiste  em dedicar nessa data,  67 minutos à solidariedade.  O tema deste ano é "agir, inspirar a mudança".  

As sementes das plantas nativas foram plantadas por todas as autoridades do evento, ao lado do parquinho da área de conservação, e próximo à nascente. A fonte do jardim  alimenta o Lago Paranoá, e por isso, é importante que traga aos cidadãos a importância da conservação do meio ambiente porque a ligação da mina com a região brasiliense permite um melhor funcionamento ambiental a Brasília.

O ministro conselheiro da embaixada da África do Sul, Fadl Nacerodien, trabalhou com Mandela. Segundo o representante africano, Mandela priorizava o bem estar de todos e, para ele, o meio ambiente era a fonte de saúde. "Ele via  a água, terra, clima como a base da vida saudável. Se estivesse vivo, estaria lutando para essas causas ambientais, que se encontram em riscos", afirmou. 

O legado deixado por Mandela ainda é trabalhado em outras regiões, de acordo com a necessidade específica de cada uma, para que o futuro dessas sejam melhorado. A influência da atividade ambiental na comunidade do Riacho Fundo 1, por exemplo, é de conscientizar a população sobre a importância do descarte de lixo, e reflorestamento, que, segundo a administradora da região, Ana Lúcia Melo, são os principais problemas encontrados ali.

"A atitude prestada serve como alerta à comunidade para que cuidem melhor do nosso ambiente", afirmou. Para reforçar melhor os valores humanitários, Ana garantiu que terá a segunda edição em outubro, só que levando crianças ao local. Além disso, Ana Lúcia quer implantar a política de Mandela nas escolas. 

O secretário das Relações Internacionais do DF, Pedro Luiz Rodrigues, destacou a importância do projeto que traz valores culturais, assim como de Mandela, para que sejam respeitados. "Além do Centro Interescolar de Línguas (CILT), há o Programa Bilíngue da Embaixada com 15 escolas em parceria com a França, Espanha, China, e Japão", afirmou. Representando o governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), Pedro destacou a grande importância da realização do evento na comunidade.

"A causa do Mandela instaurada em Brasília, contribui bastante para o melhoramento de todo o meio ambiente da região. O estado pretende interiorizar mais o legado deixado por ele", afirmou. 

A atividade contribui para a restauração do Programa Adote uma Nascente (PAN), coordenado pelo IBRAM, e tem por finalidade apoiar e orientar a adoção de medidas de preservação de nascentes no Distrito Federal, para cuidar da área ambiental de forma adequada.

O secretário do Brasília Ambiental, Thiago Rodrigues, ressaltou a importância do legado deixado por Mandela. "A atividade foi realizada em parceria com diversas pessoas. É um importante evento que proporciona cidadania ambiental, o restauro da PAN", afirmou. 

No término do Mandela Day, a embaixada da África do Sul, presenteou as autoridades presentes com sacolas descartáveis com a imagem de Nelson Mandela e informativos do ex-líder sul-africano, com um selo de 100 anos de Mandela. 

Nelson Mandela 

Nelson Rolihlahla Mandela, nasceu  em 18 de julho de 1918, e faleceu em 5 de dezembro de 2013, devido a uma infecção pulmonar. Foi prisioneiro, o primeiro presidente negro sul-africano eleito democraticamente em uma eleição multirracial representativa a desempenhar essa função. O seu governo concentrou-se em desmantelar o legado do apartheid, combatendo o racismo institucionalizado, a pobreza e a desigualdade, e promovendo a reconciliação racial.

Ativista contra o Apartheid - regime segregacionista implantado na África do Sul -, que durou de 1948 a 1994, contribuiu para a cultura, paz, liberdade, defesa de direitos humanos, e dedicou a vida pela humanidade ao longo de seus 67 anos. Conhecido como o “Homem do século XX”, recebeu em 1993  o prêmio nobel da Paz. O político é visto como referência para humanidade é personagem de filmes e vários livros, ganhador de muitos prêmios e confrarias pelo mundo. 

(foto: Trevor Samson/AFP)
(foto: Trevor Samson/AFP)


* Estagiária sob a supervisão de Vinicius Nader

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade