Publicidade

Correio Braziliense

Homem é detido por vender arara canindé em grupos de aplicativo

Na casa do suspeito policiais encontraram, ainda, dois pássaros silvestres. A arara não voa. Segundo o suspeito, ele a tratou após a ave sofrer uma mordida de cavalo


postado em 19/07/2019 23:30

Arara era vendida em grupos de aplicativo de mensagem(foto: Polícia Militar/Divulgação)
Arara era vendida em grupos de aplicativo de mensagem (foto: Polícia Militar/Divulgação)
Um homem de 28 anos foi detido suspeito de vender uma arara criada ilegalmente em cativeiro em grupos de aplicativo de mensagem eletrônica. Policiais militares estavam em Santa Maria quando receberam a denúncia. Ao passar em uma das ruas residenciais do Setor de Chácaras da região, os militares viram gaiolas dentro de um imóvel. Na casa, encontraram dois pássaros silvestres em gaiolas e uma arara canindé nos fundos do imóvel. O flagrante ocorreu nesta sexta-feira (19/7).
 
Em grupos de aplicativo, o homem anunciava a arara ao valor de R$ 1 mil e, entre as características, escreveu que a ave era "mansinha" e "nova". Aos policiais, o suspeito disse que pegou os pássaros em uma troca feita há 1 ano. Explicou, ainda, que a arara canindé era criada solta e foi tratada depois de sofrer uma mordida de um cavalo da propriedade. Por causa disso, segundo o suspeito, o animal não voa.

Como ele não é criador cadastrado junto aos órgãos competentes, precisou assinar um termo circunstanciado, com base na lei de crimes ambientais, mas acabou liberado. 

As aves foram encaminhadas para o Batalhão de Polícia Ambiental (BPMA) para, depois, serem levadas ao Centro de Triagem de Animais Silvestres (Cetas) do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade