Publicidade

Correio Braziliense

Jovens dizem ter sofrido agressão em evento no Setor de Clubes Sul

Jovens afirmam ter sofrido racismo de segurança durante o evento Vila do Yurb, no último domingo


postado em 23/07/2019 19:02 / atualizado em 24/07/2019 15:18

Jovens dizem sofrer racismo em evento em Brasília(foto: Reprodução/Instagram)
Jovens dizem sofrer racismo em evento em Brasília (foto: Reprodução/Instagram)


Os jovens Eládio Neto, Davi Reis, Nicolas Correia e Arthur Mattos foram ao evento musical Vila do Yurb, no domingo (21/7). O grupo de amigos conta que estava saindo do banheiro da festa quando foi puxado pelo braço por seguranças e intimado a passar por uma revista antidrogas.

De acordo com testemunhas, a segurança do complexo levou Eládio Neto, Davi Reis e Arthur Mattos para um local isolado. Ao chegar ao local, eles foram questionados sobre possível porte de drogas. Os envolvidos negaram, mas, mesmo assim, diesseram ter sido agredidos por duas pessoas: um segurança do local e um indivíduo, sem uniforme, que se identificou como Policial Civil, mas não informou o nome.

Uma testemunha, que prefere não revelar sua identidade, relata que "as pessoas brancas, que também passaram pela revista não foram agredidas e receberam tratamento diferente". Ela acrescenta que Davi e Eládio receberam xingamentos e foram expulsos do evento. "O segurança sentiu confiança para tratar nós, negros, dessa forma. Mas os outros envolvidos na situação, que eram brancos e com aparência de classe mais alta, não foram enquadrados da mesma maneira, com tanta violência", compartilha Eládio Neto.

Arthur Mattos disse que a cena claramente envolveu racismo. "Eu sou branco. Por isso, o segurança mal encostou em mim. Falou comigo com muita educação. Pediu para eu tirar o que tinha no bolso e dentro da minha pochete. Depois que fiz isso, ele disse que a revista tinha acabado. Com os meninos, eles xingaram, falaram frases racistas e ainda os agrediram", conta.

Outra testemunha relata que "depois da primeira revista, os seguranças insistiram em uma segunda inspeção. Um dos seguranças envolvidos, aplicou o golpe mata-leão em um dos meninos, além de sacar um objeto e dar uma coronhada na cabeça do Eládio. Isso mesmo depois de não achar drogas", afirma.

O vídeo compartilhado em redes sociais mostra a parte que testemunhas questionam o suposto policial civil, de boné vermelho, sobre o ocorrido. Uma pessoa presente no momento conta que o segurança, ao perceber que estava sendo filmado, pediu para que parassem de gravar.

 

Ver essa foto no Instagram

No evento da @yurbbsb @yurbarbsb deste domingo 21/07, meus amigos @eladiogneto e @_davireis foram retirados do banheiro a força por 4 seguranças do evento, um deles era Policial Civil, Eládio e Davi dois negros e mais dois amigos brancos foram levados para um canto mais escondido perto do banheiro para uma devida revista para confirmarem se os mesmos estavam portando drogas, pressionados contra a parede depois de alguns xingamentos o Policial que aparece no vídeo de boné vermelho obriga apenas os dois negros (Eládio e Davi) a retirarem os tênis para confirmar se havia droga dentro, os outros dois amigos Artur e @hbz.cvbs receberam um tratamento mais delicado provavelmente por terem a pele clara, foram obrigados somente a retirarem o que eles tinham no bolso... Após a confirmação de que ninguém estava portando e nem usando droga liberaram os meninos. O Eládio, indignado com a situação foi procurar um segurança mais compreensível para questionar por que estava recebendo este tipo de tratamento, nessa hora o o Policial agarra ele pelas costas e tenta imobiliza-lo com uma chave de braço, porém como o Policial era mais fraco e mal treinado foi incapaz de imobiliza-lo, quando eu vi esta cena fui tentar ajudar meu amigo separando os dois, o policial na mesma hora me pegou em um mata leão e me sufocando me retirou do evento. Lá dentro na frente de todos os convidados os seguranças juntamente com o Policial decidiram expulsar o Eládio e todos que o acompanhavam SEM MOTIVO ALGUM, o Eládio e os amigos resistiram pois era um direito deles permaneceram ali já que haviam pagado pelos ingressos. No que ele resistiu o Policial sacou sua ARMA e agrediu o Eládio com duas coronhadas na cabeça. Nosso amigo Eduardo havia comprado uma cerveja mas por esta acompanhado do Eládio e do Davi também estava sendo forçado a sair do evento, um dos seguranças roubou sua cerveja enquanto outro jogava ele no chão, ele já no chão imobilizado foi agredido com três choques de teaser na costela, após esse ocorrido os meninos decidiram sair por vontade própria. Já do lado de fora eu comecei a gravar este vídeo, reparem que no final do vídeo o Policial me agride com um chute, %u2B07%uFE0F%u2B07%uFE0F%u2B07%uFE0F%u2B07%uFE0F%u2B07%uFE0F%u2B07%uFE0F%u2B07%uFE0F%u2B07%uFE0F%u2B07%uFE0F%u2B07%uFE0F%u2B07%uFE0F%u2B07%uFE0F

Uma publicação compartilhada por Níc (@niccorreia) em



 Em nota, o organizador do evento Felipe Takatsu se defende. Leia a íntegra da nota: "Primeiramente, gostaríamos de destacar que nós, do Yurbar, não aceitamos qualquer tipo de violência ou preconceito e penalizamos com veemência caso, de fato, aconteça.  A equipe de segurança encontrou alguns dos envolvidos usando drogas (maconha) dentro do complexo e, por isso, foram retirados do local, uma vez que não toleramos o uso ou comercialização de produtos ilícitos, além de ações como roubo, furto, assédio, entre outras. Em nenhum momento o racismo foi o motivo da retirada dos jovens do local. Nosso evento acontece aos domingos, sempre com ingresso e produtos a preços populares com pagode, samba, sertanejo e funk, música da cultura brasileira, justamente com o intuito de agregar e democratizar o ambiente para que todos se sintam em casa. Por ora, a equipe de segurança do evento foi afastada temporariamente enquanto apuramos todos os fatos."


* Estagiária sob a supervisão de Vinicius Nader

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade