Publicidade

Correio Braziliense

Homem que matou companheira a facadas é condenado a 14 anos

O crime aconteceu em 2013. O crime, segundo Emanuel, foi motivado por ciúmes, após Domingas ter atendido uma chamada de outra mulher no celular dele


postado em 14/08/2019 15:32 / atualizado em 14/08/2019 15:32

O acusado efetuou vários golpes na vítima(foto: Fernando Lopes/CB/D.A Press)
O acusado efetuou vários golpes na vítima (foto: Fernando Lopes/CB/D.A Press)
Quase seis anos depois de matar a companheira a facadas, o Tribunal do Júri de Ceilândia condenou, na terça-feira (13/8), Emanuel de Macedo Silva a 14 anos e 3 meses de reclusão, em regime fechado, pelo homicídio duplamente qualificado por meio cruel e utilização de recursos que dificultou a defesa de Domingas Lira de Paiva, companheira do acusado. 

O caso ocorreu em 22 de outubro de 2013. Emanuel e Domingas estavam na casa da mãe dele, em Ceilândia, onde também se encontravam outros familiares. Até que em determinado momento, a vítima e o acusado ficaram sozinhos com a mãe dele, uma idosa e deficiente visual. No início da tarde, o homem efetuou diversos golpes de faca contra a mulher, que resultou na morte. O crime, segundo Emanuel, foi motivado por ciúmes, após Domingas ter atendido uma chamada de outra mulher no celular dele. 

Segundo o Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT), o crime foi cometido por meio cruel, uma vez que o acusado efetuou vários golpes em diversas regiões do corpo da vítima, causando sofrimento intenso e impossibilitando a defesa, uma vez que ele prevaleceu-se do relacionamento afetivo que mantinha com a vítima, a ausência de pessoas que pudessem socorrê-la no momento, onde se aproximou dela e a golpeou sem que ela esperasse pelo ataque.  
 
O jurados, então, acolheram a denúncia do MPDFT. Emanuel foi condenado nas penas do artigo 121, §2º, incisos III e IV, do Código Penal, e não poderá recorrer em liberdade.


Com informações do TJDFT

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade