Publicidade

Correio Braziliense

Ciclistas são empurrados por motoqueiro; duas pessoas ficam feridas

Homem de 34 anos teria ficado incomodado com grupo que pedalava no Lago Sul e, após discussão, derrubou uma das vítimas, que caiu e atingiu colega


postado em 20/08/2019 18:46 / atualizado em 20/08/2019 20:17

Vítimas foram atendidas e encaminhadas ao Hospital de Base, na manhã desta terça-feira (20/8)(foto: Arquivo pessoal)
Vítimas foram atendidas e encaminhadas ao Hospital de Base, na manhã desta terça-feira (20/8) (foto: Arquivo pessoal)
Um motociclista provocou um acidente entre um pelotão de triatletas que pedalava entre a QL 16 e a QL 18 do Lago Sul, na manhã desta terça-feira (20/8). O condutor da moto, um homem de 34 anos, teria ficado incomodado com a presença do grupo e, após uma discussão, empurrou o primeiro ciclista, de 36 anos, que caiu e atingiu o colega, um jovem de 29 anos. As vítimas foram atendidas pelo Corpo de Bombeiros.

O ciclista mais velho fraturou a clavícula e apresentou um quadro de pneumotórax — acúmulo de ar entre o pulmão e a pleura —, precisando de tratamento com a ajuda de um dreno. Ele foi levado para o Hospital de Base e, depois, transferido para uma unidade de saúde particular na L2 Sul. A segunda vítima bateu a cabeça e teve escoriações, mas recebeu atendimento no local do acidente. Os dois seguem estáveis. 

O motociclista — que pilotava uma Yamaha XPZ 250 preta e transportava a mulher dele na garupa — fugiu do local, mas foi encontrado por volta das 17h30 por investigadores da Coordenação de Repressão a Homicídios e de Proteção à Pessoa (CHPP) da Polícia Civil. Preso em flagrante, o suspeito será indiciado pelos crimes de tentativa de homicídio, fuga do local do acidente e omissão de socorro. 

Grupo seguia na ciclofaixa


O pelotão estava dividido em dois grupos. O primeiro, em velocidade mais alta, contava com cerca de 25 ciclistas, separados em duas filas; o segundo, seguia em ritmo mais lento. A equipe costuma pedalar três vezes por semana no Plano Piloto. Eles faziam o percurso, com início e fim na Asa Norte, havia uma hora e 10 minutos. No momento em que as vítimas sofreram o acidente, os ciclistas transitavam pela ciclofaixa.

Técnico do segundo grupo, o educador físico João Carlos Almeida deu detalhes sobre o momento do acidente e criticou a atitude do motociclista: "O que estava na moto ficou para trás, por causa de um semáforo, e, depois de o sinal abrir, veio com a perna esticada, derrubando os dois primeiros das duas filas", contou.

João Carlos acrescenta que a equipe tem triatletas de vários níveis e que o percurso estava previsto para durar duas horas e ter 70 quilômetros de extensão. "É preciso ter um mínimo de respeito no trânsito. Temos de seguir regras. Imagine como o motociclista teria se sentido se passasse por algo parecido, mas com um carro", comenta.

Coordenador da CHPP, o delegado Fernando César Costa afirma que o grupo seguia a cerca de 40km/h, no sentido Barragem do Lago Paranoá-Aeroporto de Brasília, quando o acidente aconteceu. "A situação foi preocupante porque a queda ocorreu quando eles estavam em alta velocidade. Essas bicicletas costumam transitar acima dos 30km/h. Até para evitar lesão a pedestres, eles precisam usar a via pública. O certo seria a moto passar a 1,5m de distância deles, mas isso não foi respeitado”, destaca Fernando César.

O delegado acrescenta que a mulher do suspeito chegou a pedir para que o motociclista não discutisse com os demais e que ela "tentou evitar ao máximo qualquer desentendimento". O suspeito trabalha como porteiro e foi encontrado em uma residência do Lago Sul onde fazia um trabalho de pintor. Ele não tinha antecedentes criminais e segue detido na CHPP.


Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade