Publicidade

Correio Braziliense

Homens são filmados espancando travestis; polícia tenta identificá-los

Crime aconteceu em Taguatinga Sul. Violência foi tão grande que as vítimas ficaram desacordadas


postado em 21/08/2019 19:57 / atualizado em 21/08/2019 21:13

Vídeo que mostra o crime chegou à polícia por meio da internet(foto: Reprodução)
Vídeo que mostra o crime chegou à polícia por meio da internet (foto: Reprodução)
A Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) tenta identificar dois homens que agrediram duas travestis em Taguatinga Sul. Os suspeitos atacaram as vítimas com pedaços de madeira e bateram nelas a ponto de deixá-las desacordadas. Em seguida, fugiram em um carro branco. Os agentes não sabem o dia em que o crime ocorreu. Uma filmagem que mostra a violência chegou, nesta quarta-feira (21/8), pelas redes sociais, até a polícia, que passou a investigar o caso. 

 

Segundo a delegada Ângela Maria dos Santos, chefe da Delegacia Especial de Repressão aos Crimes por Discriminação Racial, Religiosa ou por Orientação Sexual ou Contra a Pessoa Idosa ou com Deficiência (Decrin), as vítimas não prestaram queixa, mas a unidade apura o caso mesmo assim. "Apesar de não termos ninguém identificados, nós estamos empenhados em elucidar o caso", afirma.

 

Na filmagem, é possível ver os homens e as travestis discutindo. Em determinado momento, os dois vão até um canteiro da pista, onde pegam as estacas e voltam correndo. Um deles acerta o primeiro golpe em uma das travestis. Os dois então gritam "vem, vem". A travesti agredita então joga uma pedra no veículo, que está parado no meio da rua.

 

Depois disso, o segundo homem agarra a a outra travesti e desfere inúmeras pauladas. Em meio às agressões, ele ainda a arrasta pelos cabelos até um canteiro e só para de espancá-la quando ela desmaia. Em seguida, ele se junta ao parceiro, que já agride a outra vítima. Ela tenta fugir correndo, mas é alcançada. A violência prossegue também com chutes e pisões. Depois, os homens fogem no automóvel. 

 

Delegada quer ouvir as vítimas

A delegada Ângela Maria afirma que espera contar com o depoimento das vítimas. "Pedimos para que elas e possíveis testemunhas nos procurem, pois se trata de um crime grave. Nós damos a certeza da discrição e não vamos divulgar qualquer informação sobre essas pessoas", garante. 

 

"Precisamos do depoimento das vítimas para saber o que ocorreu. Se é um caso de transfobia ou não. O quanto antes elas vierem, melhor será o resultado do exame de corpo de delito do Instituto de Medicina Legal, importante para indiciar os autores", completa.


 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade