Publicidade

Correio Braziliense

Projeto do Ministério Público alfabetiza funcionários terceirizados

18 alunos estão sendo alfabetizados no local em que trabalham, uma iniciativa que faz parte do projeto Vivendo e Aprendendo


postado em 23/08/2019 16:10 / atualizado em 23/08/2019 16:10

Modelo é novo e tem apresentado bons resultados(foto: Minervino Junior/CB/D.A Press)
Modelo é novo e tem apresentado bons resultados (foto: Minervino Junior/CB/D.A Press)
Um projeto do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) em parceria com a Secretaria de Educação está alfabetizando funcionários terceirizados. Adultos que não tiveram a oportunidade de aprender a ler e escrever têm aulas no próprio local de trabalho. Uma turma de 18 estudantes iniciou os estudos neste segundo semestre de 2019. 

Os funcionários foram matriculados no Centro Educacional (CED) 2 do Cruzeiro e se tornaram alunos da rede pública de ensino, mas, para facilitar o aprendizado, as aulas são realizadas no prédio do Ministério Público. A Secretaria de Educação forneceu professores e materiais didáticos para os estudos, que acontecem de segunda a quinta-feira, das 15h30 às 17h30, durante o período de um ano. 

"Uma das grandes dificuldades dos estudantes adultos é que eles não conseguem se deslocar do trabalho para a escola a tempo de chegar para o início das aulas. Com esse modelo, o funcionário conclui a educação básica e pode ter outras oportunidades no emprego", comenta a diretora de Educação de Jovens e Adultos da Secretaria de Educação, Lilian Cristina Sena.

A alfabetização também pode ser realizada pela população geral, dentro do programa de Educação de Jovens e Adultos (EJA). Interessados devem se inscrever nas aulas ligando para o 156, teclando a opção 2. Todas as regionais de ensino ofertam 1º, 2º e 3º segmentos, para promover o acolhimento das pessoas que se afastaram da escola na idade regular. Qualquer pessoa acima de 15 anos pode se matricular.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade