Publicidade

Correio Braziliense

Imagens mostram funcionária do MEC desaparecida a caminho do trabalho

Delegado da 31ª Delegacia de Polícia, de Planaltina, confirma que imagens mostram Letícia Sousa Curado Melo desembarcar em parada de ônibus do trabalho


postado em 24/08/2019 18:37 / atualizado em 26/08/2019 12:33

(foto: Arquivo pessoal)
(foto: Arquivo pessoal)
A advogada Letícia Sousa Curado Melo, 26 anos, continua desaparecida, mas há novidades. Segundo o delegado Fabrício Borges, da 31ª Delegacia de Polícia, de Planaltina, responsável pelo caso, existem imagens que mostram que a funcionária terceirizada do Ministério da Educação (MEC) desembarcou na parada de ônibus próxima ao trabalho antes de desaparecer. Em diligência, o delegado não forneceu o vídeo ou mais informações.
 
Ela saiu de casa, em Arapoangas (Planaltina), na manhã de sexta-feira e, desde então, não foi mais vista. A 31ª Delegacia de Polícia (Planaltina) investiga o caso, mas até o fechamento desta edição, não havia informações precisas e suficientes para desvendar o paradeiro de Letícia. 

O marido da jovem, Kaio Fonseca Curado de Melo, 25, foi o último a encontrá-la. Ele conta que a mulher saiu de casa por volta das 7h para trabalhar. “Ela pediu dinheiro de manhã para pagar a condução. Provavelmente, pegou uma lotação pirata e saiu”, lembra. Letícia tinha marcado um almoço com a mãe, mas não apareceu. “Por isso, a mãe dela foi ao Ministério, às 15h, e descobriu que ela também não tinha ido.” 

Kaio assegura que não havia qualquer problema, mudança de comportamento ou algo que pudesse levantar suspeitas. O casal tem um filho de 3 anos. “Foi uma surpresa total. Não teve briga, nenhum problema, nada. Além de tudo, não dá para pensar nem na possibilidade de ela ter fugido, porque ela nunca deixaria nosso filho para trás”, ponderou.
 
Segundo os familiares, Letícia era extremamente dedicada ao trabalho e aos estudos. Além da ausência no ministério, a advogada não foi à aula do curso de pós-graduação que fazia. “Ela nunca faltou ao trabalho. Nunca deixaria de ir a pós, ela lutou muito para conseguir entrar na Escola Superior do Ministério Público e fazer esse curso”, diz Kaio. 
 
O caso gerou comoção nas redes sociais. Em nota publicada no Facebook, a Ordem dos Advogados do Brasil no DF (OAB/DF) informou que o presidente da instituição, Délio Lins e Silva, solicitou à corregedoria da Polícia Civil o máximo empenho na procura de Letícia. 
 
Ao sair de casa, ela usava saia longa jeans e uma blusa amarela, calçava tênis e estava com o cabelo solto. Letícia levava uma bolsa marrom, similar a uma mochila. Quem tiver qualquer informação, pode ligar nos celulares: 9 9140-1237, 9 9228-7795 ou 9 9163-9922. Denúncias anônimas também podem ser feitas para a Polícia Civil pelo 197.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade