Publicidade

Correio Braziliense

PCDF detém homem acusado de matar mulher a facadas em Santa Maria

O corpo da vítima foi encontrado em um terreno baldio da Quadra 104 da cidade. O suspeito foi detido nesta terça-feira (10/9)


postado em 10/09/2019 16:27 / atualizado em 10/09/2019 16:39

(foto: Lucas Pacífico/CB/D.A Press)
(foto: Lucas Pacífico/CB/D.A Press)
Agentes da 33ª Delegacia de Polícia (Santa Maria) detiveram o suspeito de matar a facadas uma mulher de 32 anos, em Santa Maria. O caso ocorreu no domingo (8/9), em um terreno baldio da QL 104. Contudo, o corpo da vítima só foi encontrado na segunda-feira (9/9). Além de ser esfaqueada, Daiane Gomes da Silva sofreu um corte no pescoço, por conta de uma garrafada. O crime teria sido motivado por disputa por drogas.

Policiais civis chegaram até o acusado, de 26 anos, por meio de denúncia anônima. Uma pessoa descreveu o homem e deu um detalhe importante: quatro pinos no braço direito, em decorrência de um acidente de moto. Ele foi encontrado em casa, na Vila dos Carroceiros, na QL 105/106. Segundo o delegado Rodrigo Telho, chefe da 33ª DP, o homem alegou que não conhecia Daiane até o dia do crime. 

“Inicialmente, ele negou qualquer envolvimento. Mas quando falamos que a garrafa usada no ataque à vítima ficou com digitais, ele mudou a versão. Fomos até o terreno baldio e, ali, o homem disse que tinha comprado crack na Faixa de Gaza (QR 204/205) e ido usar a droga no local”, explica. “A vítima estaria no local, acompanhada de dois homens. Ele afirma que o trio pediu para que o suspeito dividisse o entorpecente. Ao negar, o grupo teria tomado o crack a força. Irritado, jogou a garrafa na mulher e a esfaqueou”, detalha o delegado. 

Os investigadores não acreditam na história narrada pelo jovem. Ainda de acordo com Rodrigo Telho, o irmão de Daiane afirmou que tinha visto ela acompanhada do acusado. “Inclusive, ele teria visto a irmã com o suspeito no dia do crime, domingo, por volta das 23h. O depoimento do familiar é muito importante, pois indica que Daiane o conhecia há algum tempo”, afirma. 

Como o suspeito não poderia ser preso em flagrante (por ter expirado o período), policiais civis pediram que a Justiça decretasse a prisão temporária. Eles levaram como base a confissão do jovem e as evidências que indicam a autoria dele, como os pinos no braço esquerdo. 

Enquanto a Justiça analisa o pedido, o acusado concordou com os agentes em auxiliar nas investigações. Ele deu amostras de DNA, depois, passará as digitais para o banco de dados da Polícia Civil. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade